Heróis da FEB

20/07/2011 08:23

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Reprodução
None (foto: Reprodução)

Durante a Segunda Guerra Mundial, o Brasil envia 25.334 soldados para a frente de batalha na Europa. Dentre eles, três soldados mineiros que, sem saber, entraram para a história. Geraldo Baêta da Cruz, natural de Entre Rios de Minas, Arlindo Lúcio da Silva, de São João del-Rei, e Geraldo Rodrigues de Souza, de Rio Preto, morreram como heróis em Montese, na Itália.

 

Os três participavam de uma patrulha na cidade, quando se viram frente a frente com uma companhia nazista. Recusando a rendição exigida pelos inimigos, os guerreiros brasileiros lutaram até “o último cartucho”. Na cruz que marca a cova onde foram enterrados, feita pelos próprios alemães, foi gravada a expressão “drei brasilianische helden” (três heróis brasileiros).

 

A história verídica faz parte de uma complexa trama que conta ainda com a história de mais quatro personagens. Dirigido e produzido pelo cineasta mineiro Guto Aeraphe, Heróis é o primeiro média-metragem brasileiro (série a ser exibida na internet) que retrata a realidade dos guerreiros da saudosa Força Expedicionária Brasilera (FEB) e o sofrimento vivido nas montanhas italianas nos anos 44 e 45.

 

O filme vai além de uma reconstituição histórica. Segundo Aeraphe, a obra “pretende expor a dura rotina das baixas patentes no inferno de viver por semanas dentro dos ‘foxholes’ (trincheiras) observando a linha inimiga a algumas dezenas de metros, ou nas saídas quase sempre sem volta para as patrulhas”.

 

Para realização do filme, foi feita parceria com o exército brasileiro, no caso, o 11º BI de São João del-Rei, que tem papel importante, por trás das câmeras e à frente delas. Além de auxiliar na escavação das trincheiras ficcionais e no treinamento dos atores, muitos atuaram como figurantes.

 

Geraldo Baêta, Arlindo Lúcio e Geraldo Rodrigues foram agraciados, postumamente, com as medalhas de Campanha, Sangue do Brasil e com a Cruz de Combate de 2ª Classe. Mas para a irmã de Geraldo Baêta, Natanaela Baêta Morais, de 79 anos, a maior homenagem é tornar essa história inesquecível: “Tudo isso não pode cair no esquecimento das novas gerações”.

 

Assista ao 1º episódio:

 

 

 

Acompanhe a websérie no site: www.heroisdafeb.com.br

 

 

Veja algumas imagens:

 

 
 
 

Últimas notícias

Comentários