Novo Ecosport tem motor 1.0 com desempenho de 1.6

por Fábio Doyle 12/01/2012 11:44

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Divulgação
None (foto: Divulgação)

A nova e global geração do Ecosport foi lançada no Salão do Automóvel de Nova Déli (Índia) (7 a 11 de janeiro) e, concomitantemente apresentada ao mercado brasileiro, onde será comercialmente lançada no segundo semestre deste ano.

 

Maior, com estilo mais arrojado e linhas arredondadas, o novo Ecosport passou por atualizações em design e proporções, assemelhando-se principalmente aos utilitários coreanos que fazem sucesso no mundo.

 

Líder de vendas no país desde seu lançamento há mais de 10 anos, o Ecosport perdeu pela primeira vez essa posição no mês passado para o Renault Duster. Como a Índia já começa a vender a nova geração neste início do ano e assim ele fica apresentado ao mundo, a Ford achou por bem mostrá-lo oficialmente no Brasil onde foi projetada e concebida a primeira geração do modelo.

 

 

 

Além da descrição do estilo, dimensões e espaços, quase mais nada foi revelado sobre o novo Ecosport que será lançado no Brasil dentro de alguns meses.

 

O novo Ecosport faz parte de uma nova linha de veículos do segmento B da Ford, que atingirá uma produção anual de mais de 2 milhões de unidades até 2015.

 

O novo Ecosport foi desenvolvido no Centro de Desenvolvimento do Produto em Camaçari, na Bahia, um dos oito centros globais de criação de veículos da Ford. É o primeiro carro global de passageiros One Ford criado na América do Sul.

 

O novo design, além de reduzir o peso, tem linhas aerodinâmicas desenvolvidas em túnel de vento que aumentam a economia de combustível.

 

 

 

Até meados da década, essa nova família de veículos será responsável por uma produção anual de mais de 2 milhões de unidades, tendo em vista que os carros compactos continuarão a liderar o crescimento global. No Brasil as vendas do Ecosport atingiram 700 mil unidades.

 

O novo Ecosport será produzido no Brasil, na Índia “e outros mercados que serão anunciados futuramente”. O novo veículo será vendido em cerca de 100 mercados de todo o mundo, informou a montadora.

 

A Ford não informou a motorização que o novo Ecosport brasileiro irá utilizar, mas tudo indica que continuará com o 2.0 e o 1.6 com tecnologia flex e não utilizará o novo e moderníssimo motor 1.0 que equipa a versão indiana do SUV.

 

 

 

Na Índia, o carro será equipado como um motor de tecnologia global EcoBoost, totalmente novo de um litro. É isso mesmo! Trata-se de um motor 1.0 que, segundo a Ford, tem desempenho de um motor 1.6 convencional. Só que muito mais econômico e muito menos poluente. Seu nível de emissão de CO2 é de 140g/km. Esse mais novo e menor membro da família global de motores EcoBoost traz tecnologia turbo, injeção direta, e outras soluções técnicas que permitem desempenho até então inimaginável em motores pequenos. O propulsor 1.0 que equipa o Ecosport da Índia tem apenas três cilindros, mas desenvolve 120 cv de potência e é equipado com câmbio manual de cinco marchas.

 

O novo 1.0 é a mais recente adição à família global de motores Ford EcoBoost , que antes do 1.0, iam do 1.6 ao 3.5 litros. A Ford informa que o novo motor da Ford “estará disponível na China, Europa, América do Norte e outras regiões.” A América do Sul não é especificamente mencionada.
O novo motor Ford, que desenvolve torque de 170 Nm entre 1.300 e 4.500 rpm e alcança quase 250 mil RPM, foi desenvolvido no Reino Unido, no Dunton Technical Centre.

 

Um sistema chamado de “split cooling” reduz o consumo de combustível, aquecendo com mais rapidez o motor – único em um motor 1.0 – com bloco em ferro fundido, reduzindo a quantidade de energia necessária para o aquecimento em até 50% em comparação com o alumínio.

 

Soluções auxiliares inteligentes como compressor variável do sistema de ar-condicionado e da bomba de óleo também reduzem a demanda sobre o motor – melhorando a economia e emissões – enquanto revestimentos especiais para os componentes do motor e geometrias especiais dos mecanismos resultam em perdas friccionais mínimas.
 

Últimas notícias

Comentários