Lagoa da Pampulha deve ficar limpa até a Copa de 2014

Prefeitura de Belo Horizonte, de Contagem e a Copasa se unem para deixar a água da barragem livre do mau cheiro, e apta a receber esportes náuticos e pesca até o primeiro semestre do ano que vem

por Da redação com Ascom/PBH 09/05/2013 11:33

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Júnia Garrido/Encontro
As famosas capivaras da Lagoa da Pampulha dividem espaço com lixo e urubus (foto: Júnia Garrido/Encontro)
Depois da criação do Programa de Recuperação e Desenvolvimento Ambiental da Bacia da Pampulha (Propam), desenvolvido de forma compartilhada pelas prefeituras de Belo Horizonte e Contagem e pela Copasa, agora, com o acionamento, em abril, da nova Estação Elevatória de Esgoto Pampulha, em substituição a quatro antigas elevatórias que já estavam obsoletas e foram desativadas, a possibilidade de limpeza da lagoa se torna ainda mais possível.

O novo equipamento evita o despejo de 24 milhões de litros de esgoto por dia na lagoa, bombeando todo esse material para o interceptor que o leva à Estação de Tratamento de Esgoto do Onça, no bairro Ribeiro de Abreu. De acordo com o gestor da Copasa para o Propam, Valter Vilela, com a conclusão de novas redes coletoras e interceptoras e de mais três estações elevatórias, a lagoa se livrará de 95% dos lançamentos de esgoto e do mau cheiro até dezembro deste ano. “A rede de esgoto será instalada em frente a todas as residências e demais edificações da bacia da Pampulha. Mas o sucesso de todo esse trabalho dependerá da adesão dos moradores, que precisarão fazer a ligação de suas casas até a rede”, explica Vilela. Somando-se os recursos já empregados aos que estão sendo investidos nas obras em andamento, a Copasa participa com um total de R$ 256 milhões na recuperação da bacia da Pampulha.

O secretário regional Pampulha, Humberto Abreu, informa que irá fazer, em parceria com a Copasa, o levantamento dos casos de ligação clandestina de esgoto nos córregos da bacia ou diretamente na lagoa. O objetivo é desencadear uma ação de conscientização e convencimento para a adesão ao novo sistema. “Colocaremos em campo nossas equipes de vigilância sanitária e de políticas sociais para explicar a importância dessa adesão para a nossa cidade. Aqueles que insistirem no lançamento clandestino de esgoto serão notificados, pois esse tipo de infração caracteriza crime ambiental”, esclareceu o secretário. O secretário adjunto de Obras de Contagem, Luiz Arnaldo Prata, informou que o município vizinho também irá desenvolver ações para estimular a população a fazer as ligações do esgoto predial à rede da Copasa.

Para garantir a recuperação efetiva da Lagoa da Pampulha e de todo o seu entorno, que compõem o principal conjunto turístico e arquitetônico da capital, a Prefeitura de Belo Horizonte vem recuperando áreas degradadas, executando obras de urbanização de vilas e favelas e ampliando a coleta de lixo. Segundo o gerente de Planejamento e Monitoramento Ambiental da Secretaria de Meio Ambiente, Weber Coutinho, duas ações imprescindíveis para esta fase decisiva do Propam, denominada Pampulha Viva – Meta 2014, serão iniciadas pela PBH nos meses de julho e agosto: o desassoreamento da lagoa, com a retirada de 800 mil metros cúbicos de sedimentos do seu leito e o tratamento da água, por meio de tecnologias de ponta, como a bio-remediação, o sequestro de fósforo e a oxigenação/ozonização da água, que poderão ser empregadas em conjunto ou separadamente, de acordo com a melhor indicação técnica em cada momento. O investimento da PBH é de R$ 120 milhões e o prazo de conclusão dessas duas ações é de dez meses. “Com esse trabalho, nossa expectativa é que tenhamos, ainda no primeiro semestre de 2014, a qualidade da água da Lagoa da Pampulha enquadrada na classe 3, que permite a prática de esportes náuticos e pesca, em um ambiente sem maus odores”, afirmou Coutinho.

Bacia da Pampulha

Com área de 98,4 km², sendo 56% em Contagem e 44% em Belo Horizonte, o complexo aquífero da Pampulha possui oito córregos que desaguam na lagoa: Mergulhão, Tijuco, Braúnas, Olhos D’água, AABB e Ressaca (essas nascem e correm em Belo Horizonte); Sarandi e Água Funda (que nascem e têm a maior parte de sua extensão em Contagem). Todo esse volume de água corre para o córrego do Onça, afluente do rio das Velhas. A população da bacia, considerando-se os moradores de Belo Horizonte e de Contagem, é estimada em 500 mil habitantes.

O Programa de Recuperação e Desenvolvimento Ambiental da bacia da Pampulha foi elaborado em 1998 e licenciado pelos conselhos de meio ambiente de Belo Horizonte e Contagem. Em gestão compartilhada pelos dois municípios e pela Copasa, foi criado o Consórcio de Recuperação da Bacia da Pampulha, entidade civil sem fins lucrativos, de interesse público, com o objetivo de apoiar a implantação do Propam, com a participação da iniciativa privada, universidades e organizações não governamentais. Em 2000, o Propam foi implantado, constituído pelos subprogramas Saneamento Ambiental, Recuperação da Lagoa e Planejamento e Gestão Ambiental.

Últimas notícias

Comentários