Dólar cai, mas alta acumulada desde maio chega a 5%

por Wellton Máximo - Agência Brasil 14/06/2013 12:49

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
SXC
(foto: SXC)
Um dia depois de atingir o maior nível em quatro anos, o dólar comercial fechou com queda de quase 1% – cotado a R$ 2,1334 para venda, 0,96% abaixo do fechamento do dia dos namorados –, após interferência do Banco Central, que retirou o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) das posições vendidas de dólar no mercado futuro.

Mesmo com essa queda, o valor da moeda americana no acumulado de quase dois meses (maio a junho) chega a 5,09%. Ontem, dia 14, o dólar comercial tinha fechado em R$ 2,1541 para venda, no maior nível desde 30 de abril de 2009. A alta da cotação nas últimas semanas ocorreu devido à indicação de que o Federal Reserve, o Banco Central norte-americano, reduzirá os estímulos monetários que têm impulsionado a economia dos Estados Unidos nos últimos anos. Com a diminuição do volume de dólares em circulação, a moeda fica mais cara, o que afeta as cotações em todo o mundo.

A mudança no cenário internacional fez o governo reagir. Primeiramente, o Banco Central retomou as operações de swap cambial tradicional, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro. Nos últimos nove dias, o governo retirou barreiras para a entrada de capitais estrangeiros no país na tentativa de segurar o câmbio.

No último dia 4, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou a isenção de IOF cobrado sobre as aplicações de estrangeiros em renda fixa no Brasil. Na ocasião, o governo também zerou o imposto cobrado sobre o depósito de margem de derivativos, quantia que os investidores depositam ao iniciar operações no mercado futuro. Ontem, a última barreira foi eliminada, com a redução a zero do IOF sobre as posições vendidas líquidas no mercado futuro.

As operações no mercado futuro são feitas em reais, mas interferem na demanda e na oferta de dólares. Isso porque os investidores na ponta vendedora são obrigados a repassar a quantia em reais correspondente à cotação da moeda norte-americana definida na assinatura de cada contrato.

Últimas notícias

Comentários