IBGE aponta má alimentação de adolescentes

De acordo com pesquisa, 41,3% dos alunos de 9º ano comeram alguma guloseima não saudável pelo menos cinco vezes na semana

por Agência Brasil 19/06/2013 15:54

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Amilton Júnior/CB/DA Press
(foto: Amilton Júnior/CB/DA Press)

Os adolescentes brasileiros alimentam-se mal e fazem pouca atividade física. A conclusão é da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) 2012, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estudo levou em conta fatores de risco e proteção dos cerca 3,153 milhões de alunos do último ano (9º ano) do ensino fundamental, com faixa entária entre 13 e 15 anos.

A mesma pesquisa mostrou que aproximadamente um terço (31,1%) das meninas que cursavam o 9º ano do ensino fundamental no ano passado estava tentando emagrecer e 19,1% se achavam gordas ou muito gordas. Entre os meninos, 21% desejavam emagrecer.

 

Apesar da preocupação com o peso, a alimentação saudável não parece estar entre as prioridades desse público. Do total dos alunos ouvidos pelo IBGE, 41,3% consumiram em 2012 guloseimas em cinco dias ou mais, e cerca de 60% comiam guloseimas mais de duas vezes por semana. Dos entrevistados, 35,1% comeram salgados e 33,2% tomaram refrigerante quase todos os dias.

O estudo apontou ainda uma diferença de mais de 12 pontos percentuais entre os alunos das escolas particulares que tentaram perder peso (36,4%) e aqueles que frequentavam escola pública e tomavam essa atitude (24,2 %).

Segundo o IBGE, a proporção de alunos do 9º ano que usaram métodos para provocar o vômito ou usaram laxantes nos últimos 30 dias chegou a 6%. O procedimento de induzir o próprio vômito ou tomar laxantes foi uma prática um pouco mais comum das meninas do que dos meninos (6,4% e 5,7%, respectivamente).

A pesquisa mostra também que 16% das meninas e 19,6% dos meninos desejavam engordar.  Do total de alunos, 6,2% recorreram a medicamentos, fórmulas ou a outros produtos para ganhar peso ou massa muscular. Desse total, 8,4% são meninos e 4,2%, meninas.

 

Últimas notícias

Comentários