Para quem gosta de pescar, Corumbá é ótima opção

A cidade mais aintiga do Mato Grosso do Sul é chamada de Capital do Pantanal

por Da redação com Ministério do Turismo 07/10/2013 18:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Facebook/Prefeitura de Corumbá/Reprodução
O Pantanal possui 250 mil km² e fica entre os estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul (foto: Facebook/Prefeitura de Corumbá/Reprodução)
Localizada na tríplice fronteira, entre Brasil, Paraguai e Bolívia, Corumbá fica às margens do rio Paraguai, e é o mais importante porto fluvial do país, cheio de história e natureza exuberante. Que gosta de viajar para pescar, encontra uma estrutura preparada para receber os turistas, que, nos arredores da cidade, encontram uma rica fauna, com pássaros, jacarés e capivaras.

Há opções de passeios de barco pelos rios da região, de carro pela estrada parque – que proporciona contato direto com a fauna e a flora – e a cavalo, nos hotéis fazenda da região. No porto, grandes barcos transformados em hotéis flutuantes, com capacidade para dezenas de pessoas e equipados com lanchas próprias para pesca, oferecem passeios de vários dias pelos rios do Pantanal.

A gastronomia de Corumbá tem forte influência indígena e paraguaia. os turistas podem experimentar pratos à base de peixes de água doce e carne vermelha, típicos dos pantaneiros.

Atrações

  • Forte Coimbra: construído em 1775, às margens do rio Paraguai, ele serviu para defender o território brasileiro das invasões espanholas. Foi cenário de batalhasda Guerra do Paraguai. A construção, tombada pelo patrimônio histórico, possui mirante com quatro canhões de origens inglesa e norte-americana. O local é aberto a visitas e abriga atualmente uma base militar e o hotel de trânsito do Exército. O acesso se dá por avião ou barco. Nas proximidades da vila fica a gruta Ricardo Franco;

  • Rio Paraguai: se você gosta de pescar, não pode deixar de conhecer o rio Paraguai. Juntamente com o Miranda e o Aquidauana, é um principais destinos para quem quer fisgar peixes no Pantanal Sul. É grande a variedade de peixes, entre os quais o dourado e as temidas piranhas. Na região de Corumbá é possível se hospedar em barcos-hotéis, fazendas e pousadas, que organizam passeios fluviais. O roteiro de 3 horas (com parada de 40 minutos para pescaria) inclui visita ao Forte Junqueira e à base fluvial de Ladário, primeiro arsenal desse tipo no país;

  • Casario do Porto: cartão-postal da cidade, que guarda vestígios do período de prosperidade. Em 1814, o porto foi o terceiro maior da América Latina. Ali desembarcavam transatlânticos com mercadorias vindas da Europa. O conjunto de prédios (tombado pelo Iphan) abrigava grandes empórios, mais de 20 agências bancárias internacionais, curtumes e a primeira fábrica de gelo do país. No local funciona hoje a Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Turismo e a Fundação de Cultura do Pantanal;

  • Estrada Parque: contempla um passeio pelas belezas do Pantanal. Com 120 km e 87 pontes de madeira, oferece cenários de rara beleza. Saindo pela BR-262 de Corumbá e seguindo em direção a Porto da Manga, é possível encontrar jacarés, capivaras, araras, tuiuiús, cararás, veados e sucuris.

Facebook/Prefeitura de Corumbá/Reprodução
(foto: Facebook/Prefeitura de Corumbá/Reprodução)


Clima

O clima da região de Corumbá é do tipo tropical úmido, megatérmico, com inverno seco e chuvas no verão. O período chuvoso vai de novembro a abril e de seca, de maio a outubro. Chove em média 100 dias por ano.
 
Acessos

Por via rodoviária: pela BR-262, a partir de Campo Grande. E por via aérea, com vôos regulares para Corumbá a partir de Brasília e Campo Grande.
 
Distâncias de Corumbá

  • Campo Grande: 441 km
  • Belo Horizonte: 1.850 km
  • Brasília: 1.531 km
  • Rio de Janeiro: 1.841 km
  • São Paulo: 1.411
 
Melhor época para visitar

A seca, entre maio e setembro, é o ideal para visitar o Pantanal. As estradas de terra estão transitáveis e evita-se a grande presença de insetos. Já entre os meses de julho e outubro, a opção é a pescaria.

Últimas notícias

Comentários