Cães-guia são ótimos ajudantes dos deficientes visuais

Apesar de o Brasil ter 530 mil pessoas com deficiência visual, existem apenas 60 cães-guia em atividade

por Assessoria de Comunicação/Escola de Veterinária/UFMG 28/10/2013 13:18

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
FreeDigitalPhotos.net
(foto: FreeDigitalPhotos.net)
Conforme as cidades crescem, surgem novos desafios para seus moradores, especialmente os deficientes visuais. Calçadas irregulares, sinais de trânsito sem sinal sonoro, são exemplos de situações que demandam um auxílio externo, para que os deficientes não sofram acidentes. Quem não quer depender da ajuda de estranhos, pode conseguir um cão-guia, especialmente treinado para a circulação urbana.

Para se tornar um cão-guia, o animal precisa passar por uma seleção genética, onde é avaliada a capacidade da raça de se adaptar a diferentes situações, além, claro, de sua personalidade, que não pode ser agressiva. O professor Fernando Bretas, do departamento de medicina veterinária preventiva da UFMG, explica que os cães devem ter como principal característica o temperamento mais tranquilo: "Ele não pode ser agressivo com pessoas, o que exclui os cães de guarda. Não podem também ser muito pequenos, já que o porte mais avantajado serve de proteção ao portador de deficiência. As duas raças mais indicadas são o labrador e o golden retriever".

Após a seleção, é iniciada a fase de socialização do animal, ou seja, o treinador ou a família voluntária cuida do cão até ele completar um ano de idade. Em seguida, é realizado um treinamento especifico, que dura aproximadamente sete meses, onde são ensinadas situações que ele poderá encontrar no dia a dia, como desviar de obstáculos, identificar entrada e saída de estabelecimentos e conseguir se concentrar mesmo com muito barulho e movimento.

Embora o Brasil possua cerca de 530 mil pessoas com deficiência total de visão, o número de cães-guia é bastante reduzido, chegando a apenas 60 animais. "O processo de treinamento é muito caro e são poucos os lugares no mundo que fazem isso. No Brasil, apenas em Brasília e em Pernambuco existem pessoas que realizam esse trabalho de treinamento", diz o professor.

O deficiente visual que quer possuir um cão-guia precisa preencher alguns requisitos, como comprovar sua cegueira, possuir boa saúde física e mental, além de ter condições de alojar adequadamente o animal.

Últimas notícias

Comentários