Gasoduto entre Betim e Uberaba vai suprir demanda de fábrica de amônia da Petrobras

Com investimento de R$ 1,8 bilhão, a estrutura de 457 km de extensão também transportará gás da bacia do São Francisco, na região norte do estado, que foi descoberta há pouco tempo e cujos blocos já foram leiloados pela estatal petrolífera

por Da redação com Agência Minas 02/12/2013 14:23

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Gasmig.com.br/Reprodução
(foto: Gasmig.com.br/Reprodução)
A construção do gasoduto ligando Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte, a Uberaba, no Triângulo Mineiro, exigirá investimentos da ordem de R$ 1,8 bilhão. A obra, que terá cerca de 457 quilômetros de extensão, seguindo o traçado da BR-262,  tem previsão de início para o segundo semestre de 2014 e conclusão para o primeiro semestre de 2016.

Dirigentes e técnicos das quatro empresas envolvidas no projeto – Cemig, Petrobras, Gaspetro e Gasmig – terão outras reuniões ao longo de dezembro para definir detalhes técnicos e operacionais do projeto. O gasoduto terá capacidade inicial para transportar 3 milhões de m³/dia de gás natural, combustível suficiente para abastecer a fábrica de amônia da Petrobras, em implantação em Uberaba, além de outros empreendimentos industriais na região.

“Ao viabilizar a construção deste gasoduto, o governo de Minas cumpre o compromisso feito com a população de Uberaba, com o governo federal e com lideranças do Triângulo Mineiro de viabilizar o gasoduto, uma obra de fundamental importância para a instalação da fábrica de amônia da Petrobras”, diz o governador de Minas, Antonio Anastasia. “Trata-se de um empreendimento que impulsionará, de forma expressiva, o desenvolvimento econômico e social não apenas de Uberaba, mas de toda a região e também dos municípios por onde passará o gasoduto”, completa.

O gasoduto será totalmente construído no território de Minas Gerais, potencializando a atração de novos empreendimentos para o estado, com a chegada do gás natural a regiões ainda não atendidas pela Gasmig.

O projeto acordado entre as quatro empresas passará por municípios com potencial do uso do gás natural como Juatuba, Igarapé, Mateus Leme, Itaúna, Divinópolis, Lagoa da Prata, Luz, Araxá e Delta.

Quando estiver em operação, o gasoduto poderá ser utilizado também para o transporte das reservas de gás natural da bacia do São Francisco. A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis realizou leilões para a exploração do gás nessa região, com 39 blocos sob concessão em Minas Gerais. As empresas iniciaram a prospecção e sinais da existência do gás já foram detectados, mas ainda é necessário confirmar a viabilidade comercial das reservas.

Últimas notícias

Comentários