Zoo de BH fecha 2013 com sucesso na reprodução animal

A Fundação Zoo-Botânica celebra o nascimentos de várias espécies, incluindo hipopótamo, zebra, ouriço e até mico-leão-dourado

por Ascom PBH 08/01/2014 15:02

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Daniel Alves/Ascom PBH/Divulgação
Os filhotes de mico-leão-dourado, espécie em risco de extinção, dão exemplo da importância da reprodução em cativeiro no zoo de BH (foto: Daniel Alves/Ascom PBH/Divulgação)
O ano de 2013, no Jardim Zoológico da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte (FZB-BH), foi marcado pelo nascimento de vários filhotes. Os novos moradores passaram a integrar o plantel do zoo, que atualmente possui 3.766 animais de mais de 275 espécies. Isso mostra a importância da instituição para a preservação e a conservação da vida silvestre,e que contribui para a sensibilização e adesão das pessoas, e da sociedade em geral, à educação ambiental.

Dentre os vários nascimentos – como da zebra, oryx e hipopótamo –, a reprodução do mico-leão-dourado (Leontopithecus rosalia) é o grande destaque do fim do ano. A Fundação Zoo-Botânica possui duas famílias da espécie, ainda ameaçada de extinção. Uma delas na área de visitação e outra no setor extra do Zoológico (área de acesso restrito), cada uma com dois filhotes nascidos nos últimos dias de 2013. Nos primeiros meses de vida, esses filhotes ficam o tempo todo agarrados nas costas dos pais.

Em cada gestação, nascem, geralmente, dois filhotes, e a reprodução da espécie no Zoo tem tido sucesso graças à boa qualidade dos recintos – com ambientação parecida com a encontrada na natureza –, à alimentação balanceada e, principalmente, ao manejo correto por parte da equipe da FZB-BH. De acordo com a bióloga da seção de mamíferos, Márcia Procópio, o mico-leão-dourado é um animal ameaçado de extinção por causa das intervenções negativas do homem em seu habitat e, também, pelo tráfico e comércio ilegais dessa espécie. “A reprodução ajuda a diminuir o grau de ameaça de extinção e esses nascimentos nos mostram que o Zoológico está no caminho certo, cumprindo a missão de conservar e preservar as espécies ameaçadas”, explica a bióloga.

Os nascimentos dos novos filhotes é a recompensa por um intenso trabalho realizado há vários anos pela equipe de biólogos, veterinários, tratadores de animais e jardineiros. Esses profissionais cuidam, de forma planejada, da adaptação, manejo, alimentação e, principalmente, do bem-estar e da saúde dos animais. Dessa forma, o Jardim Zoológico de Belo Horizonte se destaca entre seus pares das capitais brasileiras, pois oferece aos visitantes um espaço voltado para a contemplação de animais em ótimas condições e atua fortemente na preservação da natureza.

Para o diretor do Jardim Zoológico, Carlyle Mendes Coelho, o sucesso na reprodução em cativeiro se deve à qualidade do trabalho e ao empenho de toda a equipe. “Nossos profissionais se esforçam para colocar em prática as melhores técnicas disponíveis para a manutenção e o manejo dos animais do zoo, e o resultado fica a cargo da natureza, que nos presenteia com essa série de nascimentos”.

Últimas notícias

Comentários