Para deixar os outros parques com inveja

Diversão, lazer e cultura: Lagoa do Nado conta com programação diversificada e gratuita. E mais novidades estão por vir

por Marina Santos 07/02/2014 10:59

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Fundação de Parques Municipais/Divulgação
No segundo maior parque de Belo Horizonte é possível encontrar quadras, campo de futebol, teatro, biblioteca e espaço multimeios (foto: Fundação de Parques Municipais/Divulgação)
São 15h de uma tarde de quarta-feira. De longe já se sente o cheiro de broa de fubá fresquinha. O bolo de cenoura acompanha o tradicional cafezinho, servido em caneca esmaltada. Em volta do fogão a lenha, um grupo se reúne para jogar conversa fora. Trocam sabores e saberes. Não fosse pelo intenso movimento de carros e o barulho das obras na avenida Pedro I, a alguns metros dali, até poderíamos acreditar que estamos em uma pequena cidade interiorana. A imagem bem "à mineira" faz parte da rotina do Parque Municipal Fazenda Lagoa do Nado, no bairro Itapoã. O Conversa ao Pé do Fogão, que busca um resgate da memória e cultura do estado através da gastronomia, é apenas um dos projetos que integram o quadro de programação do espaço. "É um momento ótimo para conhecer melhor os moradores da região, fazer amigos e trocar receitas e experiências", diz Maria Ulisses, que participa do projeto desde seu início, em 2002.

Na área de cerca de 300 mil m² que engloba o parque, o segundo maior de Belo Horizonte, há quadras poliesportivas, campo de futebol, teatro de arena, espaço multimeios, biblioteca, viveiro de plantas, trilhas e pista para caminhadas. Por onde se olha, atividades de lazer, esporte, ecologia e arte são ofertadas de forma gratuita, abrangendo desde crianças a idosos. A explicação para tamanha vivacidade é dada pela gerente do Centro Cultural Lagoa do Nado (CCLN), Grace Alves: "As pessoas se identificam com essa área por entender que ela foi uma conquista da comunidade. Há um sentimento de pertencimento que perpassa ao longo dessas duas décadas."

Leo Araujo/Encontro
Atração permanente: o artista plástico Thibau utilizou troncos de eucaliptos para fazer as esculturas da exposição Figuras Urbanas (foto: Leo Araujo/Encontro)
O espaço que hoje ocupa o Parque Municipal Fazenda Lagoa do Nado foi no passado propriedade do ex-prefeito da capital Américo René Giannetti. Adquirido em 1934, o sítio era o principal destino da família nos fins de semana e temporadas de férias. Porém, após a morte de Giannetti, em 1954, sem que se completasse o seu mandato, o local foi caindo em desuso. O abandono levou à desapropriação da área, deixada sob responsabilidade da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), que a destinaria a obras municipais. No entanto, em 1981, o governo estadual, por intermédio da Caixa Econômica do Estado de Minas Gerais (Minas Caixa), adquiriu o terreno e anunciou a construção de um conjunto habitacional. Foi o início de uma longa trajetória de manifestações da comunidade local pela preservação da área, o que culminou em 1994 com a implantação do parque.

Na opinião de Gisele Mafra, chefe da Divisão de Eventos e Educação Ambiental da Fundação de Parques Municipais, o histórico de engajamento da população, a infraestrutura, que comporta até eventos de grande porte, e a presença de um centro cultural são fatores decisivos para colocar o Lagoa do Nado entre os parques com intensa agenda cultural, ao lado do Parque Municipal Américo René Giannetti, o Parque das Mangabeiras e o Parque Juscelino Kubistchek. "A atuação da Fundação Municipal de Cultura, através do CCLN, permite uma programação mais diversificada e frequente", afirma. O Centro de Cultura Lagoa da Nado é pioneiro entre os centros de cultura regionais e o único a estar instalado dentro de um parque. "Sempre incentivamos a ocupação desses espaços. Os frequentadores transformam-se em aliados, ajudando-nos a preservar e a buscar soluções para os problemas internos", afirma Gisele. Atualmente, são 73 parques sob gestão da Fundação de Parques Municipais.

Hebert Pessoa, chefe do Departamento Noroeste da Diretoria de Parques da Área Norte, é adepto à ideia de que o segredo para se conservar os parques é mantê-los movimentados. "Agora estamos na cara do gol, entre Confins e o Mineirão", brinca. A expectativa é de que o Lagoa do Nado seja cada vez mais conhecido e frequentado. Iniciativas já estão sendo tomadas para isso, como a construção de uma pista de skate, conquistada pelo Orçamento Participativo de 2011 e com previsão de entrega para o primeiro semestre de 2014. "Nosso objetivo é receber campeonatos municipais, estaduais e até mundiais."

Outra novidade é que o parque está passando por um processo de tombamento pela Diretoria de Patrimônio, órgão vinculado à Fundação Municipal de Cultura. Como explica Daniela Miziara, técnica de patrimônio cultural do CCLN, a iniciativa justifica-se principalmente pelo valor simbólico e pela importância histórica do lugar. "Acredito que, se tombado, haverá maior cuidado com o parque, agregará mais representatividade e visibilidade."

Serviço:

Endereço: rua Desembargador Lincoln Prates, 240, Itapoã
Funcionamento: terça a domingo das 7h às 18h
Informações: (31) 3277-7420 ou 3277-7883 ou ccln.fmc@pbh.gov.br
Eventos: confira no site da Encontro, conforme programação

Últimas notícias

Comentários