O que você acha de cosméticos à base de óleo de tartaruga?

Com a criação em cativeiro de uma espécie amazônica, a Cotomi, que tem um criadouro em Goiás, distribui seus produtos de beleza em 45 pontos de venda no Brasil e também carne para diversos restaurantes

por João Paulo Martins 11/04/2014 16:17

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Cotomi/Divulgação
A fazenda Moenda da Serra, em Goiás, cria cerca de 27 mil tartarugas-da-amazônia (no detalhe) (foto: Cotomi/Divulgação)
Em 1998, quando recebeu uma intimação do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em sua fazenda Moenda da Serra, em Araquapaz, Goiás, o pecuarista José Roberto Ferreira Alves – natural de Araguari, no Triângulo Mineiro –, acabou selando um novo futuro para sua propriedade. Quando foi questionar a reclamação infundada recebida pelo Ibama, acabou recebendo uma contraproposta, para se tornar criador legalizado da Podocnemis expansa, ou tartaruga-da-amazônia. A partir daí, passou a fazer parte de um conjunto de 119 criadores comerciais dessa espécie. Hoje, através da Cotomi Cosméticos, utiliza o óleo do animal para produção de cremes e xampus, e ainda comercializa a carne de tartaruga em todo o país.

“Os ambientalistas reclamam muito da gente. Mas, eles não entendem que os animais silvestres, que não são criados em cativeiro, têm uma taxa de reprodução ínfima. São dizimados pela caça ilegal”, reclama José Alves. Na época em que foi convidado a ser um dos criadores de quelônio – como é conhecida a ordem das tartarugas –, a espécie amazônica estava em risco de extinção. Atualmente, essa situação não é mais vista. O pecuarista cria os animais silvestres em sua fazenda de 470 hectares, sob supervisão de seu filho José Roberto, que é médico veterinário e professor universitário: “O Ibama nos entregou os filhotes. A gente não foi até a natureza e pegou os animais. A ideia do órgão federal é que os criadores, ao enviarem a carne para o mercado, façam decair a pesca predatória”.

Cotomi/Divulgação
A empresa produz sete cosméticos à base de óleo de tartaruga (foto: Cotomi/Divulgação)
As cerca de 27 mil tartarugas criadas em Goiás, pela Cotomi Cosméticos, são usadas na elaboração de sete tipos de produtos de beleza, incluindo xampu, creme hidratante e sabonete líquido. Com 45 pontos de venda espalhados pelo país, a empresa chega a faturar R$ 300 mil para cada mil animais abatidos. “O óleo é um aditivo que potencializa o efeito do produto na pele e no cabelo. Os ribeirinhos já o utilizam há anos”, diz Alves.

Sua fazenda em Goiás também fornece carne de tartaruga para todo o país, através de avião, incluindo alguns restaurantes de Belo Horizonte. Mas o cliente mais assíduo, e que tem maior saída do produto, é um bar em Goiânia, que possui um bufê de tira-gostos. “Falta mais informação da população, para que consigamos aumentar o consumo de produtos à base de tartaruga. Quem conhece, passa a gostar”, conta. O preço médio da carne é de R$ 35 o quilo, com osso, e R$ 50 para o corte filé.

Segundo o Ibama, a ideia do programa Quelônios da Amazônia – criado em 1979 – é promover o uso sustentável da biodiversidade e dos produtos oriundos desse manejo apropriado. “Através de tecnologias de menor impacto ambiental, é assegurada a manutenção dos estoques de quelônios e seus ecossistemas. Com isso, melhora-se a qualidade de vida dos habitantes locais”, diz a nota enviada à Encontro. Pelos dados do instituto, da década de 1970 até hoje, já foram preservados 70 milhões de filhotes de tartarugas.

Para se ter uma ideia de como o manejo adequado ajuda a preservar a espécie, no maior criadouro de tartarugas do Brasil, que fica no Acre, e pertence ao pecuarista e piscicultor Valmir Ribeiro, a taxa de sobrevivência dos quelônios chega a 95%. Na natureza, a cada mil ovos depositados pelas tartarugas nas praias dos rios amazônicos, apenas um indivíduo sobrevive.

Agência de Notícias do Acre/Reprodução
A tartaruga já é apreciada em muitos restaurantes que servem carne exótica (foto: Agência de Notícias do Acre/Reprodução)
Não é o bastante


Apesar de reconhecer que o trabalho dos criadores ajuda a valorizar os produtos á base de tartaruga, Juarez Pezzuti, professor da Universidade Federal do Pará e especialista em quelônios, acha que isso praticamente não muda a condição de preservação dos animais silvestres. “O foco do trabalho de conservação ambiental tem de ser in loco, com a fiscalização e a recuperação das áreas degradadas. Achar que a criação em cativeiro vai afetar a caça ilegal da tartaruga, é uma grande ilusão. Para conservá-la na natureza, é preciso um trabalho de manejo”.

Ele deixa claro que apoia o trabalho que vem sendo executado pelos criadores, e conta que a carne de tartaruga tem grande potencial comercial, especialmente para o mercado de alta gastronomia. “Ela possui baixo teor de gordura, é macia e aceita todos os tipos de temperos”, afirma Juarez. Porém, o produto esbarra num grande problema para conseguir chegar aos restaurantes e também ao consumidor final: a conquista do selo do Serviço de Inspeção Federal (SIF), que é usado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para garantir a procedência das carnes comercializadas no país. Isso porque o manuseio de um produto exótico, oriundo da fauna silvestre, demanda fiscalização do órgão federal, e regras mais complicadas para todos os envolvidos no processo de beneficiamento.

De acordo com o professor, a burocracia emperra o trabalho dos criadores: “Até hoje eles só tinham prejuízo. O Ibama criou o projeto, incentivou a criação, forneceu filhotes, mas não conseguem vender a carne para o grande público”.

Últimas notícias

Comentários