Conheça a história de Gilson Noratti, que virou um cabeleireiro de sucesso

Sem experiência na área de estética, o ex-servente de pedreiro decidiu trabalhar num salão, e acabou fazendo escola (literalmente)

por Bruma Melo 29/04/2014 10:06

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.


Rogério Sol/Encontro
Uma década de confiança faz com que Gilson Noratti tenha clientes assíduos (foto: Rogério Sol/Encontro)

De servente de pedreiro a empreendedor e um dos principais visagistas de Belo Horizonte. Assim pode ser resumida a trajetória de Gilson Noratti, que, ainda criança, junto à família, saiu de Campo Alegre, no interior de Minas Gerais, para morar na capital. Quem deu a dica para a nova área de atuação, que acabou lhe atraindo grana e reconhecimento, foi um colega. "Nós fizemos o curso (de cabeleireiro), ele quis voltar para marcenaria, e eu me interessei pela arte de esculpir cabelos", conta.

Hoje, como principal cabeleireiro e professor, Noratti oferece mais que cortes e alisamentos no salão-escola administrado por sua mulher, e localizado no bairro Cidade Nova. Além de habilidoso com as tesouras, ele dá consultoria personalizada a cada novo visitante. Por meio da análise das linhas do rosto e com uma boa conversa com o cliente, o cabeleireiro aponta traços de personalidade que influem na escolha do visual. "Converso com a pessoa para saber como ela gostaria de ser vista. Dependendo do momento que ela está vivendo, faço um corte para ressaltar ou amenizar certas características", explica o profissional, que atua há 27 anos no mercado.

A consultoria visagista, como a prática é chamada, é hoje o carro-chefe do salão Noratti e Messi Hair and Make-up Academy. Antes de estudar visagismo, no entanto, Gilson foi funcionário de outro salão no mesmo bairro durante sete anos. Demorou para tomar coragem de se lançar, mas deu certo. "Muitas clientes me incentivaram a começar meu próprio negócio e me acompanharam no novo salão." Terezinha de Freitas, de 62 anos, dona de casa, é uma delas. Cliente há dez anos, ela atesta a competência do profissional. "Tentei vários cabeleireiros e só dei certo com ele. E hoje, por onde eu passo, faço propaganda."

O começo foi difícil. Noratti abriu um salão numa pequena sala alugada no bairro, tinha apenas uma manicure como funcionária e todos os dias levava as toalhas para que sua irmã lavasse em casa, no bairro São Gabriel. "Era muito difícil carregar todo aquele peso no ônibus lotado", recorda.

Depois de a sede ser transferida algumas vezes por pontos também do Cidade Nova, finalmente o salão permanece numa sede maior, depois de ficar oito anos no mesmo local. As mudanças de ponto não atrapalharam tanto. "Acho que consegui ficar por aqui sem dificuldades financeiras porque levo a sério, e minha esposa tem a responsabilidade de gerir o negócio. Minha maior preocupação sempre foi com a satisfação do freguês", garante.

Vaidoso (como não poderia deixar de ser), mas com os pés no chão, Noratti confessa que se sente vitorioso e que, por enquanto, sua esposa não busca abrir filiais. Ainda assim, quer continuar se especializando na área. "Vamos ver como serão os resultados da nova casa", diz. Certamente os clientes que saem de outras regiões para serem atendidos por ele não vão gostar da notícia. Tomara que ele mude de ideia.

Quem sabe ensina

O salão de beleza também abriga uma escola profissionalizante para futuros visagistas, cabeleireiros ou maquiadores. A escola também atende quem não tem objetivos profissionais. "O curso de automaquiagem foca nas possibilidades das pessoas, ensinamos formas de aplicar os produtos que elas já possuem em casa", explica Silvana Machado, maquiadora e mulher de Gilson, sócia da Noratti e Messi Hair and Makeup Academy.

Últimas notícias

Comentários