Moreira Franco: "Não vai ter caos nos aeroportos durante a Copa"

O ministro de aviação civil, porém, reconhece que nem todas as obras de reforma dos aeroportos nas cidades-sede serão entregues nos prazos previstos

por Agência Câmara 21/05/2014 16:56

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press
Ministro Moreira Franco: "Vamos ter as dificuldades normais que qualquer país do mundo" (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Em audiência na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara da Câmara dos Deputados, o ministro-chefe da secretaria de Aviação Civil, Moreira Franco, assegurou que os aeroportos brasileiros não voltarão a ter o chamado "apagão aéreo", que gerou caos no país entre 2006 e 2007. "Essa palavra é muito forte, e indica absoluta bagunça", diz o ministro.

Segundo ele, a infraestrutura dos aeroportos brasileiros está preparada para o aumento do fluxo de passageiros que devem chegar ao país durante a Copa do Mundo. Ele lembra que o Brasil já sediou outros eventos internacionais importantes. "No mundial, vamos ter as dificuldades normais que qualquer país do mundo tem ao sediar eventos desse tipo; não há nenhuma excepcionalidade nisso", explica Moreira Franco, que completa: "Não vamos estar diminuídos com isso".

Porém, conforme reconhece o próprio ministro, isso não significa que todas as obras de reforma dos aeroportos nas cidades-sede serão entregues nos prazos previstos. "O país precisa começar a viver uma realidade em que os contratos sejam cumpridos", diz. "As obras que ainda não foram concluídas terão de estar prontas", acrescenta, sem, porém, especificar um prazo para isso.

Por sua vez, o deputado federal Fernando Francischini (SD-PR) cobrou do ministro punição às empresas contratadas para fazer as obras, que não serão entregues antes da Copa, e também que o presidente da Infraero responda por isso. "Faltando 22 dias para o mundial, está evidente que os contratos não foram cumpridos", argumenta o político.

Últimas notícias

Comentários