Pesquisa mostra que cidades do interior consomem R$ 827 bilhões por ano

Esse valor é maior que o PIB de países como Dinamarca, Chile e Israel

por Luciana Barbo 22/05/2014 18:48

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Zuleika de Souza/CB/D.A Press
Com 49% da população brasileira, cidades do interior gastam mais que países como Portugal e Israel (foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
De cada R$ 10 gastos no Brasil, R$ 4 correspondem ao consumo efetuado no interior do país. Isso é o que mostra um levantamento inédito do Sebrae, realizado em parceria com o Instituto Data Popular. O estudo mostra que o consumo fora das capitais e regiões metropolitanas soma R$ 827 bilhões ao ano, o que equivale a 38% do total gasto no país. Esse valor é maior que o Produto Interno Bruto (PIB) de países importantes como Portugal, Irlanda e Grécia.

"E ainda há muito potencial de crescimento, em especial para as micro e pequenas empresas que estão nessas localidades e conhecem melhor os mercados e as demandas da sua população", explica Luiz Barretto, presidente do Sebrae. "Além disso, a pesquisa mostrou que os consumidores no interior definem suas compras principalmente com base no preço e na qualidade e dão menos importância à marca", completa.

O Brasil tem 4,6 mil municípios fora das capitais e regiões metropolitanas, que reúnem 94,3 milhões de habitantes – ou 49% da população do país. A grande maioria (74%) desses moradores do interior vive em áreas urbanas, e apenas 26% vivem nas zonas rurais. Entre os que trabalham, 77% ganham até dois salários mínimos (já nos grandes centros, 64% estão nessa faixa de renda). "Embora a renda seja menor no interior, o consumo vem sendo favorecido pelo desenvolvimento das cidades e pelo aumento da circulação de dinheiro", destaca Renato Meirelles, presidente do Instituto Data Popular.

No último ano, os moradores dessas cidades gastaram R$ 265 bilhões de reais na manutenção do lar e outros R$ 118,4 bilhões com alimentação. Medicamentos, material de construção e alimentação fora do lar (em restaurantes, bares e lanchonetes) também estão entre os principais gastos (veja tabela abaixo).

Com relação ao consumo futuro, num prazo de 12 meses, os entrevistados disseram que pretendem comprar principalmente móveis para a casa, TV's, geladeiras, máquinas de lavar e passagens aéreas. "O desejo de consumo representa bons negócios não apenas para o comércio, mas para todos os outros segmentos envolvidos", diz o presidente do Sebrae.

De olho nas oportunidades, o microempresário Marcos Vinicius Paiva concluiu em 2013 uma obra com a qual vinha trabalhando há cinco anos para ampliar sua loja. Ele é dono de um supermercado em Jequitinhonha, região nordeste de Minas Gerais. Dos 180 m² originais, sua loja passou para 600 m², e a clientela subiu de 1,2 mil para 1,8 mil pessoas por mês, com faturamento 50% maior. "Pude dar mais conforto aos clientes, diversificar a oferta de produtos e até mesmo inserir itens mais sofisticados", revela o comerciante.

O que os moradores do interior do país consomem:

  • R$ 265 bilhões com reforma
  • R$ 118,4 bilhões com alimentação
  • R$ 61 bilhões com medicamentos
  • R$ 53 bilhões com material de construção
  • R$ 52,4 bilhões com restaurantes, bares e lanchonetes
  • R$ 51 bilhões com veículo próprio
  • R$ 36 bilhões com vestuário e confecção
  • R$ 23 bilhões com eletrodomésticos e eletrônicos
  • R$ 22 bilhões com higiene e beleza
  • R$ 19 bilhões com educação
  • R$ 19 bilhões com móveis
  • R$ 18,5 bilhões com viagens
  • R$ 17 bilhões com cultura e lazer
  • R$ 14 bilhões com calçados
  • R$ 12 bilhões com bebidas
  • R$ 6,6 bilhões com produtos de limpeza
  • R$ 5 bilhões com livros e material escolar

Últimas notícias

Comentários