Além do frio, inverno traz os ventos, e com eles, os riscos de se empinar pipas

De acordo com a Cemig, só este ano, a típica brincadeira infantil de soltar papagaios deixou 500 mil consumidores sem energia em Minas Gerais

por Da redação com Agência Minas 27/06/2014 14:02

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Janine Moraes/CB/D.A Press
Muito comum nesta época do ano, ato de empinar pipa pode se tornar um risco à rede elétrica e, mais importante, à vida de quem brinca (foto: Janine Moraes/CB/D.A Press)
O inverno é o período do ano mais propício para soltar pipa, uma das brincadeiras mais populares entre crianças e adolescentes em todo o país, devido à intensidade dos ventos típicos desta estação do ano. Mas a diversão pode gerar prejuízos e trazer riscos à segurança da população. Desde o início do ano, essa prática foi responsável por 1.922 ocorrências de interrupção no fornecimento de energia elétrica, que prejudicaram cerca de 500 mil consumidores.

No primeiro semestre, na região metropolitana de Belo Horizonte, foram registrados 864 desligamentos provocados por pipas na rede elétrica. O uso do cerol – mistura cortante feita com cola, vidro e restos de materiais condutores – é um dos principais causadores dos desligamentos. Eles geralmente causam o rompimento dos cabos de energia quando entram em contato com a rede elétrica. Além disso, muitos curtos circuitos são provocados pela tentativa de retirada de papagaios presos aos cabos.

Segundo Demétrio Venício Aguiar, engenheiro de tecnologia e normalização da Cemig, alguns procedimentos devem ser adotados para que não haja risco à segurança e nem ocorram interrupções no fornecimento de energia com a prática da brincadeira. “As pipas devem ser empinadas em locais abertos e afastados da rede elétrica. Jamais use fios metálicos ou cerol e, caso a pipa fique presa, não tente resgatá-la”, afirma.

Além disso, Demétrio Aguiar alerta sobre uma novidade que surgiu nos últimos tempos, e que vem agravar os problemas e os riscos: a linha chilena, tipo de cabo cortante feito em escala industrial, portanto mais refinado e com materiais mais abrasivos do que o cerol. “Esse tipo de linha é muito mais cortante do que o cerol comum e, infelizmente, é possível adquirir este material de origem estrangeira pelo mercado paralelo e até pela internet”, diz o engenheiro.

Acidentes graves

Além dos prejuízos causados pela falta de energia, a Cemig também alerta para os riscos à segurança que a soltura de pipas pode trazer quando praticada próxima à rede elétrica. Nos últimos dois anos, foram registrados um acidente com vítima fatal e outros três com ferimentos graves no estado.

Demétrio Aguiar conta que a maioria dos acidentes acontece quando o papagaio fica preso na rede elétrica e as crianças tentam retirá-lo utilizando materiais condutores, como pedaços de madeira ou barras metálicas. O contato com a rede elétrica pode ser fatal, além do risco de queda em função do impacto causado pelo choque elétrico. Nesses casos, as consequências mais comuns são traumatismos devido às quedas e queimaduras graves por causa dos choques.

O engenheiro chama a atenção ainda para o uso do cerol que pode transformar uma simples linha de papagaio em um material condutor e provocar choque elétrico ao entrar em contato com a rede. Além disso, muitas crianças amarram as pipas com arames e fios. “São materiais altamente condutores de energia e que acabam sendo energizados quando tocam os cabos de energia”, explica Demétrio Aguiar.

Últimas notícias

Comentários