Blatter já considera um sucesso o mundial do Brasil

Discursando na abertura de um seminário esportivo, o presidente da Fifa elogia a organização brasileira e até ironiza a falta de manifestações mais sérias

02/07/2014 14:05

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Eny Miranda/GOVERJ/Divulgação
Joseph Blatter no Rio de Janeiro: "Onde está a ira social?" (foto: Eny Miranda/GOVERJ/Divulgação)
O presidente da Federação Internacional de Futebol (Fifa), Joseph Blatter diz que a Copa do Mundo no Brasil é "indiscutivelmente, um grande sucesso". Blatter participou da abertura do 3º Seminário de Gestão Esportiva da Fundação Getulio Vargas, no Rio de Janeiro. "Só tenho a agradecer aos brasileiros por terem aceitado a Copa". E questionou "onde está a ira social?", em referência aos protestos contra o mundial.

"É lógico que ainda temos oito jogos pela frente. Vamos cruzar nossos dedos para que os outros sejam no mesmo padrão e na mesma atmosfera.  A imprensa internacional já está dizendo que nada deu errado. Tudo está certo. Não vou dizer perfeito porque nada é perfeito, mas os estádios estão magníficos. O que foi construído é maravilhoso", explica o presidente da Fifa, que completa: "Não poderia estar mais feliz no momento".

Blatter explicou que deve se reunir em breve com árbitros e técnicos para discutir aprimoramentos tecnológicos para o futebol, mudanças que ficarão para depois da Copa. O dirigente também comemorou a inclusão do futebol em países sem tradição no esporte, como a Índia e China, que passarão a ter ligas profissionais neste ano.

Outro ponto comemorado pela Fifa foi a competitividade dos jogos, que tem recorrentemente chegados à prorrogação: "Não há mais nações dominantes no futebol. Isso acabou. Estão todos no mesmo nível, porque o nível aumentou. O futebol cresceu", diz Blatter.

Do lado de fora do evento, que aconteceu no centro do Rio, manifestantes promoveram um ato de escracho, usando cartazes com xingamentos contra a Fifa e questionando lucros da entidade, gastos públicos com o evento e violações aos direitos humanos em comunidades carentes, que, segundo eles, estariam relacionadas à Copa.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários