Final no Maracanã poderá ter a presença de presidentes de vários países

Entre os confirmados estão ditadores africanos como Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, de Guiné Equatorial, e Joseph Kabila, filho do ditador da República Democrática do Congo

10/07/2014 14:24

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Marcelo Camargo/Agência Brasil/Divulgação
A chanceler alemã Angela Merkel é um dos chefes de estado que devem comparecer à final da Copa do Mundo no Rio de Janeiro (foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil/Divulgação)

Mais de 10 chefes de estado devem assistir à final da Copa do Mundo, no domingo (13), entre Alemanha e Argentina, no estádio do Maracanã,  às 16h, ao lado da presidente Dilma Rousseff e do presidente da Fifa, Joseph Blatter. Antes, às 13h, a presidente oferecerá um almoço às autoridades internacionais. Já estão confirmadas as presenças dos governantes da África do Sul, Jacob Zuma, da Rússia, Vladimir Putin, do Congo, Denis Sassou-Nguesso, da República Democrática do Congo, Joseph Kabila, filho do ditador Laurent-Désiré Kabila, da Hungria, János Áder, do Haiti, Michel Martelly, e da chanceler alemã, Angela Merkel.

A presença dos chefes de estado do Gabão, de Trinidad e Tobago, Antígua e Barbuda, Guiné Equatorial – neste caso, o ditador Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, que dirige o país com braço de ferro desde 1979 – e da Finlândia já é quase certa, faltando acertar os últimos detalhes da visita ao Brasil.  O emir do Catar, Tamim bin Hamad bin Khalifa Al Thani, também pode ser um dos convidados da presidente Dilma Rousseff.

Antes de iniciar o jogo, a partir das 14h ocorrerá a cerimônia de encerramento, com apresentações da colombiana Shakira, de Ivete Sangalo, do Alexandre Pires, Carlinhos Brown, do guitarrista mexicano Carlos Santana e do rapper haitiano Wyclef Jean, além da Escola de Samba Acadêmicos do Grande Rio, que homenageará a cidade-sede da final.

No período entre 12 e 18 de julho, o país receberá quase 30 chefes de Estado, além do presidente da Comissão Europeia, José Manuela Barroso. Após a final da Copa, os chefes de estado do Brics (grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), terão uma reunião de cúpula em Fortaleza, na terça-feira (15 ). No dia seguinte, eles se reunirão com os presidentes dos países da América do Sul. Barroso terá compromissos em Brasília no dia 18 de julho.

Durante a Copa do Mundo, a chanceler alemã, Angela Merkel, a presidenta do Chile, Michelle Bachelet, o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, e o vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, passaram pelo Brasil para apoiar suas seleções, alguns deles aproveitaram a ocasião para se encontrar também com a presidenta Dilma. No dia 12 de junho, abertura da Copa do Mundo, em São Paulo, Dilma também ofereceu um almoço aos chefes de estado que vieram assistir ao jogo entre Brasil e Croácia.

(com Agência Brasil e Ivan Richard)

Últimas notícias

Comentários