Apesar da seca, autoridades dizem que risco de apagão é zero

No mês passado, a informação era de que tínhamos 2,5% de chance de ter déficit de energia no Sudeste e Centro-Oeste

10/07/2014 18:23

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Leandro Couri/EM/D.A Press
Com a falta de chuvas, nível da represa de Três Marias, no norte de Minas, está bem abaixo do normal para esta época (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
O Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico informou hoje (10) que o risco de déficit  de energia é zero para as regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste. Após reunião nesta tarde, o grupo, formado por integrantes de órgãos oficiais do setor elétrico, disse que foram observadas chuvas acima da média em junho nas principais bacias de rios do Sudeste, e houve melhoria nas condições de suprimento de energia do Sistema Elétrico Nacional.

Em nota divulgada no mês passado, o comitê informou que havia risco de déficit de energia em torno de 2,5% para a região Sudeste/Centro-Oeste. Segundo o órgão, a capacidade de geração e transmissão de energia continua sendo ampliada este ano com a entrada em operação de usinas, linhas e subestações em fase de conclusão. “Embora as principais bacias hidrográficas onde se situam os reservatórios das regiões Sudeste/Centro-Oeste e Nordeste tenham enfrentado situação climática desfavorável no período úmido deste ano, o Sistema Interligado Nacional dispõe das condições para o abastecimento do país”, diz a nota.

O comunicado acrescenta que o aumento de temperatura do oceano Pacífico e os ventos observados nesse período indicam o estabelecimento do fenômeno El Niño, de intensidade moderada, o que implica continuidade das chuvas da região Sul com valores normais ou superiores à média histórica.

As análises de desempenho feitas pelo comitê também apontaram para o risco de 4% de déficit de energia no ano que vem nas regiões Sudeste/Centro-Oeste e de 0,4% na região Nordeste. Os números estão dentro dos índices previstos no setor, que considera déficit de até 5%.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários