Em cerimônia fechada, Brasil passa sede da Copa à Rússia

Dilma, Blatter e Putin participam de evento longe do público, no Maracanã, para celebrar o início da preparação para o mundial de 2018

14/07/2014 09:41

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Roberto Stuckert Filho/PR/Divulgação
Dilma transfere a Vladimir Putin, simbolicamente, o direito de sede da Copa do Mundo de 2018 (foto: Roberto Stuckert Filho/PR/Divulgação)
O presidente da Federação Internacional de Futebol (Fifa), Joseph Blatter, disse, em cerimônia fechada no Estádio do Maracanã que marcou a transferência da sede do Brasil para a Rússia, com a presença dos presidentes Dilma Rousseff e Vladimir Putin, que a Copa do Mundo de 2014 foi um sucesso. Na ocasião, Blatter apresentou um certificado de transferência simbólica do evento para Putin e entregou bolas oficiais da partida autografadas aos dois chefes de estado.

"A Copa do Mundo da Fifa no Brasil apresentou uma mensagem muito especial, de união, conectando as pessoas, de paz e antidiscriminação", afirma Blatter antes do jogo entre Argentina e Alemanha. "A Copa do Mundo em 2014 foi de muito sucesso e certamente veremos um legado neste país".

A presidenta Dilma desejou sorte ao povo russo na organização do torneio e disse que o Brasil se orgulha muito de ter recebido a Copa mais uma vez e que o mundo esteve conectado com o país por 30 dias, celebrando gols com emoção nas 12 cidades-sede.

"Estou certa de que todos os que vieram ao Brasil, como os turistas e as delegações, levarão de volta as lembranças da nossa hospitalidade e alegria, e nós, brasileiros, também teremos memórias inesquecíveis. Desejo ao povo russo muito sucesso na organização da Copa do Mundo da Fifa 2018".

O presidente russo agradeceu a oportunidade de seu país poder realizar a Copa de 2018, disse que o futebol ajuda a solucionar problemas sociais e elogiou a organização do torneio feito pelo Brasil.  "Faremos tudo o que pudermos para organizar o evento no mais alto níve", completa Putin.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários