Projeto que exige ambulância em locais de grande público é aprovado em comissão

Para especialista na área de atendimento de emergência, hoje, os veículos de socorro não estão localizados em pontos estratégicos, e, com isso, demoram na ajuda à população

14/07/2014 15:46

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Juarez Rodrigues/EM/D.A Press
(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 5088/13, do deputado Onofre Santo Agostini (PSD-SC), que torna obrigatória a permanência de ambulância e de profissional da área da saúde em lugares com grandes aglomerações – eventos, aeroportos, estádios e rodoviárias – para socorro imediato das vítimas.

A proposta foi aprovada em caráter conclusivo e seguirá para análise do Senado, exceto se houver recursos para que seja examinada antes pelo Plenário da Câmara. Segundo o relator, deputado Felipe Bornier (PSD-RJ), a chance de a vítima se recuperar sem sequelas aumenta em 50% quando o atendimento ocorre na "hora de ouro" – termo usado por médicos e socorristas para se referir à primeira hora após o acidente. Nos casos em que o atendimento ocorre nas três horas após o acidente, a chance de recuperação cai para 14%.

Para o deputado, o socorro feito na hora de ouro é eficaz para salvar vidas, "principalmente em eventos de grande público, como as comemorações na Copa e nas Olimpíadas de 2016". Bornier lembra que, apesar de o direito à saúde estar previsto na constituição brasileira, a presença de ambulâncias em grandes eventos atualmente não é obrigatória. O deputado argumenta que a proposta "modifica essa situação, porque organiza e direciona as ambulâncias para locais que são também focos de conflitos".

Tempo de resposta

O comandante do Corpo de Socorristas do Brasil, organização não governamental direcionada aos primeiros socorros, Moisés Gomes da Silva, afirma que o projeto pode diminuir o tempo de resposta do atendimento e evitar "mortes súbitas". "No Brasil, as ambulâncias não estão localizadas em lugares estratégicos e demoram em média de 15 a 30 minutos para prestar os primeiros socorros, quando deveriam realizar esse atendimento em cinco minutos", diz.

(com Agência Câmara)

Últimas notícias

Comentários