No Dia do Homem, médicos alertam para a prevenção de doenças

Para especialistas, os homens vão pouco aos consultórios e exame de próstata ainda é um tabu

por Marcelo Fraga 15/07/2014 18:14

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
FreeDigitalPhotos.net
(foto: FreeDigitalPhotos.net)
Pouca gente sabe, mas no dia 15 de julho é celebrado, no Brasil, o Dia Nacional do Homem. A data – instituída em 1992 por iniciativa da Ordem Nacional dos Escritores –, tem como objetivo principal a promoção da saúde dos homens. A preocupação maior da classe médica é com o câncer de próstata, que, só neste ano, pode atingir a marca de 69 mil novos casos, segundo estimativa do Instituto Nacional de Câncer, órgão vinculado ao Ministério da Saúde.

O medo de descobrir alguma doença é apontado como um dos fatores que afastam os homens dos consultórios médicos. Para Antônio Peixoto, urologista e presidente da Sociedade Brasileira de Urologia em Minas Gerais, além do medo, a falta de informação também é um problema: "Muitos homens quando sentem alguma dor ou têm outros sintomas, que podem indicar doença na próstata, acreditam que pode ser algo normal, por causa da idade, e não procuram o médico", explica.

Sobre o preconceito relativo ao exame de toque, fundamental para a detecção do câncer de próstata, Antônio Peixoto diz que a solução está na conscientização por meio de campanhas, principalmente nas empresas e na mídia. As mulheres também têm papel fundamental, já que, segundo o médico, muitas vezes são elas que agendam as consultas e acompanham os maridos ou namorados quando vão ao consultório.

A demora no diagnóstico do câncer de próstata e de várias outras doenças é primordial para a possibilidade de cura. O clínico geral Breno Gomes, do hospital Mater Dei, destaca a importância de se ter um médico de confiança e de se fazer um check-up anual: "É importante realizar uma consulta, mesmo que o homem não esteja sentindo nada. Além da prevenção, o hábito torna as idas ao consultório mais tranquilas e frequentes, porque cria uma relação de confiança entre paciente e médico".

Últimas notícias

Comentários