Você sabe as causas do ronco?

Especialistas esclarecem quais são as situações que provocam o barulho desagradável, que pode até levar a problemas mais sérios - quando se tem a apneia do sono -, e como tratar ou amenizar a questão

por Fernanda Nazaré 24/07/2014 09:26

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Brightonimplantclinic.co.uk/Reprodução
Dormir numa posição errada é uma das causas do ronco, por obstruir as vias aéreas superiores (foto: Brightonimplantclinic.co.uk/Reprodução)
Passamos um terço da nossa vida dormindo, mas nem sempre esse momento – essencial para a recuperação do corpo e da mente – é utilizado de forma correta, e entre os motivos, está o ronco. Esse barulho incômodo, que gera até brigas entre casais, nada mais é do que a passagem do ar pelas vias aéreas superiores que sofrem estreitamento. De acordo com a Associação Brasileira do Sono (ABS), 24% dos homens de meia-idade roncam, e esse número sobre para 60% quando chegam à terceira idade. Já entre as mulheres, a pesquisa da ABS mostra que cerca de 40% das que tem mais de 60 anos também roncam. Ainda segundo a associação, boa parte dos pesquisados apresenta a chamada apneia – interrupção da respiração durante o sono.

As causas do ronco são diversas: obesidade, alguma obstrução nasal, aumento do diâmetro do pescoço, amígdalas e úvulas aumentadas ou inchadas, dorso de língua elevado ou adenóide – neste caso, especialmente entre as crianças. O presidente da Sociedade Mineira de Otorrinolaringologia, Cheng T-Ping, afirma que todas essas causas podem ser tratadas: "Se for por algo que está obstruindo, é possível corrigir através de cirurgia".

Mas nem todo ronco é considerado um problema, como os ocasionais. "Ingerir bebidas alcoólicas ou sedativos também pode ser um disparador para o problema", diz o médico. Isso acontece devido ao profundo relaxamento da musculatura que circula a faringe – assim como acontece com os músculos do corpo todo –, e, com isso, há o estreitamento da via aérea superior, o que dificulta a passagem de ar.

O problema mais grave relacionado ao ronco é a apneia do sono, que provoca interrupções da respiração por intervalos de até 10 segundos ou mais. Infelizmente esse problema não tem cura. Além disso, levando em conta apenas o tipo de barulho provocado pelo ronco, não é possível fazer o diagnóstico. É necessário passar pelo exame de polissonografia, em que o paciente dorme durante uma noite inteira ligado a sensores para o monitoramento do sono. "A causa tem que ser investigada por um otorrino e se for apneia, o tratamento é com um pneumologista", explica Cheng T-ping.

Apneia

Geralmente, o médico só é procurado para avaliar o problema do ronco quando a esposa ou outra pessoa que divide o quarto com o "roncador" reclama. Quem sofre com a apneia do sono sente as consequências não apenas à noite, mas durante todo o dia. Por não ter um sono reparador e profundo, a pessoa passa a ter sonolência, irritação, queda na produtividade e pode, ainda, ter problemas de hipertensão arterial e arritmia cardíaca. "A apneia está também relacionada a acidentes no trânsito. A pessoa dorme dirigindo, por que dorme mal", conta o presidente do departamento de pneumologia e cirurgia torácica da Associação Médica de Minas Gerais, Flávio Mendonça da Silva.

De acordo com o pneumologista, a apneia não tem cura, mas é possível atenuar seus efeitos e proporcionar mais qualidade ao sono, com algumas mudanças, como o emagrecimento, a realização de atividades físicas e o uso de um aparelho ao dormir, chamado CPAP – consiste numa máscara que injeta uma coluna de ar durante o sono para permitir a abertura das vias superiores. "Dormir com o aparelho não é fácil, mas quando a pessoa se adapta e começa a sentir os efeitos positivos, não deixa mais usar o CPAP", diz o pneumatologista. O aluguel do aparelho custa em média R$ 300 por mês, ou pode ser comprado por cerca de R$ 2.500.

Dormir reclinado ou de lado também pode amenizar o barulho do ronco. Isso porque diminui a pressão sobre o diafragma, o que não acontece quando se dorme de barriga para cima, devido à flacidez da garganta. Outros recursos curiosos e caseiros, podem ajudam quem vira muito á noite: costurar duas bolas de tênis nas costas do pijama, pra impedir que a pessoa vire pra cima; dormir em um colchão especial que impede que a pessoa não fique na posição correta, ou seja, de lado.

Últimas notícias

Comentários