Você sabia que gato tem depressão?

Seu bichinho de estimação também pode ficar triste e ter de passar por tratamento, igual aos humanos. Especialista dá dicas de como cuidar de seu felino depressivo

por João Paulo Martins 30/07/2014 17:07

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
FreeDigitalPhotos.net
Miados altos e repetitivos e agressividade podem ser sintomas da depressão felina (foto: FreeDigitalPhotos.net)
Quem acha que os problemas relacionados à perda e à solidão, que acabam levando á temida depressão acomete apenas os seres humanos, está errado. Cães e gatos também sofrem com esse mal. Nos felinos, as causas do problema psicológico podem ir além dessas, e, por serem animais mais independentes, os sintomas podem não ficar tão claros para os donos.

O gato deprimido passa a ter um comportamento mais agressivo e chega a vocalizar de forma exagerada – miados mais altos que o normal e de forma mais frequente. O dono consegue notar até uma mudança no aspecto do bichano. "É muito importante que, ao notar qualquer tipo de alteração de comportamento ou sinal atípico no seu pet, um profissional veterinário deve ser consultado, pois, assim como no caso dos cães com depressão, a hipótese de qualquer outro tipo de doença deve ser totalmente descartada para que um diagnóstico preciso seja feito", explica Fábio Toyota, médico veterinário e integrante do portal CachorroGato.

Segundo o especialista, outros sinais de que o bichinho não está bem é a falta de apetite, a recusa de alimentos e o uso errado da caixa de areia. Este é um ponto importante, já que, desde filhotes, por serem animais extremamente limpos e preocupados com a própria higiene, eles tendem a fazer as necessidades no local certo, para que possam "esconder" a sujeira. "Evitar brincadeiras que eram adoradas, permanecer isolado e apresentar comportamentos extremamente agressivos também podem ser sinais de alerta para a depressão nos gatos, que também podem passar a se esconder das pessoas e desenvolver doenças de pele em função do seu estado", completa o veterinário.

Cada animal precisa de um diagnóstico específico, mas entre os tratamentos indicados para tirar o gato desse quadro triste, está a adoção de um outro felino, para que sejam companheiros, e até o uso de medicamentos homeopáticos ou alopáticos – neste caso, estão incluídos os antidepressivos. "Com ou sem a ajuda de remédios, aumentar os carinhos, os mimos e o tempo passado com seu pet é indicado para todos os casos de tristeza em animais", diz Fábio Toyota.

Dicas para se prevenir a depressão em gatos:

  • Nem sempre é possível, mas dar atenção constante por meio de carinhos e brincadeiras é o primeiro passo para manter seu bichano alegre

  • Apostar na variedade de alimentos (de acordo com uma dieta balanceada) também pode ser uma boa opção, assim como realizar atividades divertidas junto ao animal, com frequência

  • Manter uma rotina pré-determinada é outro fator importante para a prevenção da tristeza profunda, e evitar mudanças muito grandes de casa e ambiente (quando for possível) é igualmente indicado

  • É recomendado que se passe, pelo menos, 30 minutos por dia realizando algum tipo de atividade com o gato e, na ausência de uma companhia durante o dia, pode ajudar bastante que as janelas da casa fiquem abertas (se você morar em apartamento, siga isto somente após proteger as janelas com telas) e o rádio ligado, dando uma sensação mais agradável ao pet

Fonte:
Portal CachorroGato

Últimas notícias

Comentários