Frio, chuva ou sol não geram dor de coluna, diz pesquisa

Realizada numa parceria entre a UFMG e a Universidade de Sidney, o estudo com mais de 900 pacientes acabou com o mito de que mudanças climáticas afetam a coluna cervical

11/08/2014 14:21

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Arquivo Pessoal
O pesquisador Daniel Steffen, da UFMG: "Nosso estudo prova que temperatura, umidade relativa do ar, pressão e incidência de ventos não agem da forma como a crença popular acreditava" (foto: Arquivo Pessoal)
Levantamento da Organização Mundial de Saúde constatou que 85% da população mundial já sentiu ou ainda vai sentir dor nas costas em algum momento da vida. No Brasil, um terço da população sofre com dores lombares, que acabam afastando as pessoas do trabalho e as impedem de levar uma vida normal.

Por muito tempo, a crença popular associou as mudanças climáticas a essas dores, o que até o momento não havia sido colocado em xeque pela ciência. Pesquisa realizada pela Universidade de Sydney, na Austrália, em parceria com a UFMG comprovou que condições do clima não têm efeito importante no desencadeamento da dor lombar aguda.

Segundo o pesquisador brasileiro Daniel Steffen, ainda que a exposição ao vento possa aumentar as chances de desencadeamento de dor lombar aguda em pessoas que já apresentam tendência ao problema, a influência dessas mudanças climáticas é tão pequena que não pode ser considerada para fins clínicos. "Muitos pacientes sugerem que a dor apareceria em períodos de baixas temperaturas ou altas taxas de umidade (dias frios e chuvosos). Nosso estudo prova que temperatura, umidade relativa do ar, pressão e incidência de ventos não agem da forma como a crença popular acreditava", diz.

As conclusões foram obtidas por meio de estudo de caso-cruzado desenvolvido em clínicas de atendimento primário na cidade de Sydney. Foram observados 993 pacientes, de outubro de 2011 a novembro de 2012, que procuraram atendimento devido a episódios súbitos e agudos de dor lombar. Ao chegarem à clinica, os pacientes eram submetidos a entrevistas para a coleta de dados demográficos e clínicos. Os parâmetros meteorológicos (temperatura, umidade relativa do ar, pressão atmosférica, velocidade, rajada e direção do vento e taxa de chuvas) foram obtidos por meio do Bureau de Meteorologia Australiano.

"A exposição aos parâmetros do tempo imediatamente antes do início da dor na coluna foram comparados com a exposição em dois períodos anteriores – uma semana e um mês antes do início do episódio. Dessa forma, podíamos perceber se a mudança do clima coincidia ou não com a ocorrência da dor", explica Steffens.

Segundo o pesquisador, há fatores não climáticos, como condições musculoesqueléticas, artrite reumatoide e levantamento de objetos pesados, além de outros de natureza psicológica (como o estresse), que podem ser atribuídos ao desencadeamento da dor lombar. Ele acrescenta que ampliar a compreensão dos fatores que aumentam esse risco é fundamental para a criação de métodos de prevenção e tratamento.

(com CEDECOM UFMG)

Últimas notícias

Comentários