Conheça o faveiro-de-wilson, espécie que só existe em Minas Gerais

Não se trata de um animal, e sim, uma árvore mineira, que de tão rara, está na lista vermelha da instituição internacional que acompanha as espécies em risco de extinção em todo o mundo

por Bruna Tavares 02/09/2014 15:37

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Fernando Fernandes/Divulgação
O faveiro produz uma vagem com cerca de um palmo de comprimento, escura por fora e branca por dentro, e que é muito apreciada pelo gado (foto: Fernando Fernandes/Divulgação)
Frequentemente ouvimos nos noticiários que determinado animal corre o risco de desaparecer devido à destruição de seu ambiente natural. Mas você sabia que as árvores também correm risco de extinção, e que existem pessoas mobilizadas para evitar que isso aconteça? Desde a época do descobrimento do Brasil, boa parte da flora nacional vem sendo devastada e, até 1530, o pau-brasil, símbolo maior do país no período, foi constantemente explorado – seu tronco serve para produção de móveis e o corante vermelho produzido pela árvore era muito usado pela indústria têxtil. Da mesma forma que essa espécie típica sofreu com o assédio humano, o faveiro-de-wilson – ou Dimorphandra wilsonii Rizzini, da família das leguminosae, a mesma do pau-brasil – é a árvore da vez, que pede por socorro e pode estar com os dias contados.

Ainda mais raro de ser encontrado que o seu "parente" mais famoso, o faveiro-de-wilson – que recebeu esse nome em homenagem ao cientistas que a descreveram em 1969 – é uma espécie endêmica, encontrada apenas na região central de Minas Gerais, em cidades como Lagoa Santa, Sete lagoas e Matozinhos, e está na lista vermelha de espécies ameaçadas, segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, em inglês). Ao longo dos últimos dez anos, o engenheiro ambiental Fernando Fernandes, da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte, tem se dedicado à procura de indivíduos dessa espécie por todo o estado.

"De 2003 até o momento, foram 10 mil quilômetros percorridos e apenas 240 árvores encontradas. Elas foram registradas em apenas 17 dos 853 municípios mineiros. Por conta disso, encontra-se no nível mais crítico da ameaça de extinção. Sua população é muito pequena, está em declínio, e presente numa área restrita", afirma o especialista, que observou, ainda, que a principal causa de seu desaparecimento é o desmatamento de seu habitat pelo homem, para produção de carvão e madeira, especialmente para o setor agropecuário.

Fernando Fernandes/Divulgação
Apesar de seu grande porte, o faveiro-de-wilson pode até não chamar a atenção de que a vê, mas é um patrimônio de Minas (foto: Fernando Fernandes/Divulgação)


Além do risco de seu ecossistema ser "engolido" pela urbanização, já que a região metropolitana de BH está se expandindo e crescendo vertiginosamente, o faveiro-de-wilson demora pelo menos 15 anos para atingir a maturidade e dar fruto pela primeira vez. Esse tempo de crescimento é considerado médio ou mesmo lento, o que faz com que não se consiga uma maior população dessa espécie. "Algumas árvores se espalham sozinhas, naturalmente, porque são mais agressivas e se reproduzem sem a ajuda externa. No caso do faveiro, é preciso que o homem a plante e ajude em sua proliferação", completa Fernando Fernandes.

No final de agosto, a Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte juntamente com Centro Nacional de Conservação da Flora do Jardim Botânico do Rio de Janeiro realizou uma oficina para propor as bases de um plano de ação para a conservação da espécie no país. Em médio prazo, o objetivo é tentar tirar o faveiro-de-wilson do nível mais crítico que uma espécie pode estar na lista vermelha da ameaça de extinção.

Últimas notícias

Comentários