Construtora divulga vídeo da simulação da implosão do viaduto Guararapes

Depois do adiamento da demolição da alça que restou no viaduto, que tinha sido embargada pelo Ministério do Trabalho, construtora Cowan divulga imagens em 3D de como será a ação do dia 14

por Da redação com assessorias 11/09/2014 16:04

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Marcello Casal Jr/Agência Brasil/Divulgação
A queda da alça do viaduto Guararapes, na av. Pedro I, em BH, matou duas pessoas e deixou 23 feridos (foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil/Divulgação)
A queda do viaduto Batalha dos Guararapes, ocorrida no dia 3 de julho deste ano, na avenida Pedro I, região norte de Belo Horizonte, vitimou duas pessoas e deixou 23 feridas. Foram atingidos um micro-ônibus, um carro e dois caminhões. Depois da análise dos peritos, a Construtora Cowan – responsável pelas obras de duplicação da avenida e de instalação do sistema BRT no local – reconheceu que houve falha no projeto executivo do viaduto. A implosão da alça que restou no viaduto seria implodida no início de setembro, mas foi embargada pela superintendência regional do Ministério do Trabalho.

Após reunião com o órgão federal, a Cowan conseguiu manter a data da implosão da alça para o dia 14 de setembro. As despesas de remoção temporária das famílias residentes no entorno ficam a cargo da construtora. A demolição terá início às 9 horas da manhã e deve durar cerca de três segundos. Ao todo, 150 pessoas estarão envolvidas no procedimento que terá área de isolamento de 200 metros. Serão usados 125 quilos de explosivos. "Produzimos um plano de fogo em relação à estrutura que será implodida, desta forma conseguimos analisar a quantidade ideal de explosivos em cada pilar",  diz Fabio Bruno Pinto, diretor operacional da Fábio Bruno Construções, empresa contratada pela Cowan para realizar a implosão.

Confira como será feita a demolição:



A detonação será feita com os três pilares interligados e com uma defasagem de um para o outro de 300 milissegundos, ou seja, quase imperceptível. De acordo com o especialista, a diferença de tempo entre as detonações está diretamente relacionada a um impacto menor no entorno. Principalmente em relação à vibração que será feita com o choque das detonações. Serão instalados seis aparelhos tipo sismógrafos, para monitorar os efeitos das implosões sobre as edificações vizinhas. Ao todo, cerca de 1.300 m³ de concreto serão implodidos.

A expectativa é de que o trânsito na avenida Pedro I seja normalizado em aproximadamente uma semana após a demolição da alça do viaduto Guararapes.

Últimas notícias

Comentários