As crianças estão virando adultos?

Especialista mostra a importância de se deixar que os jovens tenham tempo para brincar e para se distrair, ao invés de ocupar sua vida com excessivas atividades extracurriculares

por Da redação com assessorias 15/09/2014 12:26

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Clarice Castro/GERJ/Divulgação
O simples ato de brincar pode fazer com que as crianças aprendam a resolver problemas do dia a dia, e até a lidar com o estresse (foto: Clarice Castro/GERJ/Divulgação)
Não é segredo que as crianças, hoje, estão atualmente trilhando um caminho "rápido para o sucesso", ou seja, para que o futuro seja o melhor possível, especialmente em relação à profissão. Mas a que preço os jovens estão adquirindo conhecimento e experiência? Muitos pais acabam incentivando, e os filhos ficam semtempo livre, graças à escola, ao curso de inglês, às aulas de balé, ao judô, ao futebol...

"Ao que me parece, muitas crianças estão perdendo a infância. A pressão acadêmica é apenas uma peça do quebra-cabeça quando se trata do 'jejum de infância'. Nós estamos experimentando uma mudança cultural gradual, em vários âmbitos no que se refere à esta etapa da vida", afirma o pediatra e homeopata Moises Chencinski, autor do Blog Mama que Te Faz Bem.

Segundo o médico, a pressão da escola sobre as crianças, hoje, é mais intensa, mas elas também estão sobrecarregadas com atividades extracurriculares. Os jovens praticam esportes competitivos – às vezes mnais de um –, são obrigados a cursar aulas de música, de arte, de idiomas, e também em atividades de sua comunidade (escola, condomínio ou prédio). "Isso preenche completamente a semana e os sábados e domingos com eventos, compromissos, datas de jogos, competições e festas", diz Chencinski.

Em um artigo no jornal americano The Independent, Peter Gray, pesquisador do Boston College e autor de um livro sobre o tema, defendeu a necessidade de mais brincadeiras não estruturadas para as crianças. Ele sustenta que algumas das mais importantes habilidades para a vida não são ensinadas na sala de aula. A brincadeira é o veículo pelo qual os jovens aprendem a se relacionar com os outros, a resolver problemas e a controlar suas emoções. "Eu concordo plenamente. A brincadeira é muito mais do que os personagens que as crianças inventam e assumem nas histórias que desenvolvem. Através desse ato lúdico, elas aprendem a dominar seus medos, afirmar suas necessidades, processar e lidar com suas emoções e a conviver com outras pessoas", defende o pediatra Moises Chencinski.

Cinco razões para deixar seus filhos brincarem:

  1. Alívio do estresse: brincar é uma oportunidade para as crianças processarem e trabalharem com as emoções negativas com as quais se deparam ao longo do dia

  2. Controle emocional: através da brincadeira, as crianças aprendem a controlar seus impulsos e a trabalhar suas emoções. Elas aprendem a encontrar os gatilhos e a resolver potenciais problemas

  3. Habilidade de interação social: a melhor maneira de deixar as crianças trabalharem suas habilidades de interação social é deixá-las brincar em grupo, sem interferência. Quando envolvidas em brincadeiras em conjunto, elas têm de aprender a cooperar, resolver conflitos, ter empatia com os outros e a se relacionar com seus pares

  4. Resolução criativa para problemas: uma criança pode memorizar as respostas às perguntas de matemática, e tem dificuldade em resolver problemas na vida real. Ela tem de aprender a dar um passo atrás e avaliar a situação antes de desistir da brincadeira ou de ficar brava com alguém. Isso é algo que se aprende através das brincadeiras

  5. Promoção da aprendizagem: a grande ironia de aumentar a pressão acadêmica em detrimento da brincadeira desestruturada é que a brincadeira realmente promove a aprendizagem. A brincadeira é um estilo de aprendizagem mais natural para as crianças. Elas aprendem brincando desde o primeiro momento em que mordem blocos de madeira e continuam a aprender à medida que crescem

Fonte:
Moises Chencinski, pediatra e homeopata

Últimas notícias

Comentários