Certificados de língua estrangeira viram diferencial no mercado de trabalho

Exames de proficiência em uma segunda língua qualificam universitários para programas de bolsa estudantil internacional como Ciências Sem Fronteiras

por Da redação com assessorias 02/10/2014 14:41

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.


Fábio Cortez/DN/D.A.Press
Busca por certificação cresce, assim como a exigência do mercado (foto: Fábio Cortez/DN/D.A.Press)

Com o aumento do número de faculdades, cursos ofertados e bolsas estudantis, ter um diploma de curso superior já não ser é mais um grande diferencial no currículo. Para buscar mais destaque no meio de tantos universitários, uma alternativa é fazer uma especialização ou parte do curso de 3º grau fora do país. Um dos programas do governo que pode proporcionar essa experiência é o Ciência Sem Fronteiras. E para se inscrever, é necessário ótimo desempenho acadêmico, proficiência no idioma do país destino além, é claro, a papelada e o visto de estudante.

 

De acordo com o diretor o núcleo de carreiras do Centro Universitário UNA, Marco Túlio de Carvalho, além de comprovarem o conhecimento de uma língua estrangeira, os certificados abrem portas para o mercado de trabalho. “Atualmente, todas as instituições estão cobrando o diploma. A língua estrangeira, hoje, é um elemento econômico, que te coloca numa posição diferenciada, por isso é válido investir neste conhecimento”, destaca o diretor.

 

Para a língua espanhola, estudantes de nível básico a avançado podem obter o Diploma de Espanhol como Língua Estrangeira (DELE), um documento oficial do Ministério da Educação da Espanha, reconhecido no mundo inteiro. “O DELE é uma prova oficial dos governos europeus, aplicado em seis níveis diferenciados, com validade ilimitada”, afirma o coordenador acadêmico do Instituto Cervantes Pedro Navarro Serrano. O Cervantes é o único credenciado a aplicar o DELE no país. Para candidatar-se ao programa do Ciência Sem Fronteira na Espanha, o candidato deve ter comprovado o DELE nível B1.

 

Quem escolhe aprender inglês, o certificado correspondente é o Teste de Inglês como uma Língua Estrangeira (TOEFL), cuja validade é de dois anos após a emissão do documento e pode ser aplicado a dois grupos de candidatos: os de conhecimento básico a intermediário e os de intermediário a avançado.
Segundo explicou a coordenadora pedagógica da The Best Idiomas e Informática, Maria Amélia Hosken, com este certificado, universitários podem ingressar em universidades de países de língua inglesa.

Últimas notícias

Comentários