Belo Horizonte sofre com propaganda eleitoral irregular

Mais de 100 denúncias chegam todos os dias à Justiça Eleitoral. Multa para candidatos e partidos pode chegar a R$ 8 mil

03/10/2014 17:21

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Valter Campanato/Agência Brasil
Propaganda eleitoral irregular apreendida acumula-se nos depósitos da Justiça Eleitoral em Belo Horizonte (foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

Belo Horizonte sofre as consequências do excesso de propaganda eleitoral nas ruas com milhares de placas espalhadas e caídas nos canteiros por toda cidade. Segundo o Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), são recebidas mais de 100 denúncias diárias sobre o problema. As reclamações dão conta de pessoas que escorregaram em folhetos espalhados nas ruas e calçadas e, ainda, brigas de cabos eleitorais e torcidas de futebol que utilizam os cavaletes como armas.

O presidente do TRE mineiro, Geraldo Augusto de Almeida, lembra que uma decisão do Tribunal Superior Eleitoral proíbe a utilização dos cavaletes, mas só a partir das eleições de 2016. O presidente também se mostra preocupado com as chuvas. "De acordo com a previsão do tempo, pode chover nos próximos dias. As águas podem levar as propagandas, entupindo, assim, os bueiros e causando inundações", comenta.

A Justiça Eleitoral afirma que está intensificando a retirada de material político irregular, principalmente os cavaletes. O coordenador das Promotorias Eleitorais do Ministério Público de Minas Gerais, Edson Resende diz que cerca de 2,5 mil itens de propaganda já foram recolhidos, em Belo Horizonte, por estarem expostos fora do horário permitido, das 22h às 6h. "Além da apreensão do material, a lei prevê pagamento de multa, que varia entre R$ 2 mil e R$ 8 mil, esses casos serão analisados após as eleições", explica.

Para tentar reduzir os danos ao cidadão e ao meio ambiente pelo excesso de propaganda eleitoral nas ruas, o TRE-MG, por meio de seu presidente, encaminhou um ofício aos partidos e candidatos informando sobre a campanha "Sujeira não é legal", que pede a entrega, a partir do sábado (4), até às 18h de domingo, o material de campanha que não foi usado, para que tenha uma destinação ambientalmente correta.

 

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários