FEB comemora 70 anos da campanha na Segunda Guerra Mundial

A força de 25 mil homens enviados pelo Brasil em setembro de 1944 para combater na Itália tinha como lema 'A Cobra Vai Fumar'

16/10/2014 12:25

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Breno Fortes/CB/D.A Press
Os veteranos da FEB Vinícius Vênus Gomes da Silva, 88 anos, Vasco Duarte Ferreira, 89 anos, e Severino Francisco de Oliveira, 95, querem a construção de um memorial em Brasília para os heróis brasileiros (foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
Há 70 anos, Vinicius Vênus Gomes da Silva, presidente da Associação dos Veteranos da Força Expedicionária Brasileira (FEB), desembarcou na Itália para lutar junto aos aliados durante a Segunda Guerra Mundial. O pracinha – como eram chamados os soldados brasileiros – não tinha certeza se voltaria do conflito, mas lembra, com orgulho, de como a missão foi importante não só para o fim da guerra, mas também para a história e orgulho do Brasil.

FEB/Reprodução
Clique para ampliar e ver as batalhas da FEB na Itália (foto: FEB/Reprodução)
O veterano fez parte de uma força de 25 mil homens que, em 1943, constituiu a Força Expedicionária Brasileira e adotou o lema "A Cobra Vai Fumar". Essa frase foi escolhida por que as pessoas cosntumavam dizer, antes de nosso ingresso no conflito mundial, que era mais fácil uma cobra fumar do que o Brasil entrar na guerra.

Até 1941, o país se manteve neutro no conflito. Depois de ataques nazistas a navios brasileiros que forneciam matéria-prima para os norte-americanos, o então presidente Getúlio Vargas reconheceu que era inevitável o Brasil entrar em estado de guerra contra o eixo (Alemanha, Itália e Japão). "O Brasil entrou em guerra no dia 22 de agosto de 1942. A partir dessa data, todos nós fomos imbuídos da ideia de ir para a batalha", lembra o coronel Nestor Silva, também veterano da FEB. O desembarque na Itália aconteceu em 16 de julho de 1944, e o primeiro confronto em 16 de setembro do mesmo ano.

Cinco escalões lutaram no norte da Itália e tinham como missão romper a chamada "linha gótica", ou seja, a última faixa de defesa nazista que defendia o território alemão. Depois de sofrer com os rigores do inverno europeu, os membros da FEB, auxiliados pelos norte-americanos, tomaram o Monte Castelo, mesmo com inferioridade numérica e tecnológica. Essa é a batalha mais conhecida da missão e foi travada por três meses, até ser vencida em fevereiro de 1945, uma das últimas ofensivas contra o exército alemão.

Para Vinicius Vênus Gomes da Silva,, foi um orgulho ter participado da missão brasileira: "Acho que como brasileiro eu cumpri o meu dever. Não sou melhor do que nenhum compatriota. Tenho orgulho de ter cumprido e ter servido a minha pátria na hora em que ela precisou".

Curiosidades sobre a campanha da FEB na Itália:

  • As principais conquistas dos militares brasileiros estão a batalha de Monte Castelo (fevereiro de 1945) e a tomada de Montese (15 de abril  de 1945), após três ataques mal sucedidos e a vitória só veio na quarta investida

  • Ao longo da campanha, mais de 20 mil soldados do eixo foram aprisionados pelos pracinhas brasileiros

  • Os restos mortais dos brasileiros foram inicialmente enterrados na cidade italiana de Pistoia. Somente em 1960, foram transladados ao Brasil, onde permanecem no Monumento Nacional dos Pracinhas, no Rio de Janeiro

  • A FEB foi a única tropa a pisar na Europa com militares de todas as raças (negros, índios, pardos e brancos)


Assista ao vídeo com veteranos da FEB:




(com Portal Brasil)

Últimas notícias

Comentários