Saiba como a gripe se instala em nosso corpo

Causada principalmente pelo vírus Influenza, a doença que acomete o sistema respiratório pode levar a complicações. Entenda melhor como ela surge e como se prevenir

por Da redação com assessorias 20/10/2014 09:44

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Maurilio Cheli/SMCS/Divulgação
A vacinação contra a gripe é a melhor forma de prevenção contra o ataque do vírus Influenza (foto: Maurilio Cheli/SMCS/Divulgação)
A gripe é um tema recorrente, especialmente nesta época, em que o clima é mais quente e as frentes frias mudam a temperatura repentinamente. Seja no trabalho, no lar, na rua ou em ambientes públicos, é natural observar pessoas que apresentam os principais sintomas desse problema, como espirros, cansaço, febre e nariz avermelhado.

"Existem vários vírus que afetam o trato respiratório e que podem causar gripes e resfriados. Eles sofrem mutações e se tornam diferentes com o tempo. Porém, o mais conhecido e que causa doenças mais graves é o do tipo Influenza. Resumidamente, podemos dizer que o ciclo de uma gripe tem início no contágio, seguido pela instalação do antígeno, que geralmente acontece na região da garganta, do nariz ou dos seios da face. Posteriormente, com a multiplicação do vírus, vem a reação do corpo contra o invasor com o intuito de buscar a cura da doença", explica o pneumologista Mauro Gomes.

Segundo o especialista, a transmissão do vírus Influenza pode acontecer por meio da tosse, espirro e de pessoa para pessoa – por meio de gotículas de saliva expelidas na fala –, diretamente pelo ar ou por objetos que foram manipulados pelo doente. Portanto, o indivíduo é contaminado quando inala as partículas do micróbio ou quando toca os objetos contaminados e leva sua mão aos olhos, nariz ou boca. Daí a importância de sempre se manter a higiene pessoal. "O período em que uma pessoa pode transmitir o vírus a outra é de um a sete dias depois que os sintomas começam a aparecer. Isso pode variar, especialmente de acordo com a idade”, afirma.

Após o contágio, vem a fase da instalação do vírus no corpo. Normalmente, ocorre no trato respiratório superior, o que contempla nariz, faringe e laringe, ou na traqueia. "Nessas regiões, o microorganismo encontra melhores condições de sobrevivência e, consequentemente, multiplicação. É durante esse período que o indivíduo começa a sentir os primeiros sintomas da gripe: febre alta, fortes dores de cabeça e no corpo, tosse seca e fraqueza", explica Mauro Gomes.

Criasaude.com.br/Reprodução
Clique para ampliar e conferir os sintomas da gripe (foto: Criasaude.com.br/Reprodução)
A partir de então, o sistema imunológico começa a reagir à presença do Influenza e os sintomas se intensificam. Ainda segundo o pneumologista, os glóbulos brancos identificam as células que foram afetadas e as eliminam. Após a destruição do vírus, outras células preparam "novas respostas", que podem ser observadas pelo aumento do muco na garganta.

Durante o processo da gripe, o vírus "procura" por células para se hospedar e se reproduzir. Esta reprodução acontece quando ele se fixa e penetra na membrana celular. Por meio do material genético (RNA) há a multiplicação dos antígenos nos núcleos das células do hospedeiro. Em contrapartida, o nosso corpo continua reagindo para acabar com a contaminação.

O especialista ainda faz um alerta aos portadores de doenças respiratórias crônicas quanto a alguns cuidados para prevenção da gripe e suas complicações: "Aglomeração em locais fechados, faz com que as infecções respiratórias aumentem. Vírus e bactérias acabam se transmitindo com maior facilidade, causando algumas epidemias. Portanto, evitar lugares mal ventilados, as mudanças bruscas de temperatura e o contato com a fumaça do cigarro são medidas muito importantes".

A vacina antigripal, fabricada a partir dos três principais tipos de vírus Influenza, é muito eficaz na prevenção da gripe e, principalmente, da evolução desta para pneumonia na maioria das pessoas. Apesar de não prevenir contra novos vírus ou mutantes, a vacina é um eficiente protetor e deve ser administrada principalmente naquelas pessoas com os fatores de risco citados.

Últimas notícias

Comentários