Chega a hora de fazer a prova do Enem e dá um branco: e agora?

Especialista dá um dica simples e eficiente para os estudantes que temem esse "bloqueio" mental, que surge no momento mais importante: método do semáforo

por Da redação com assessorias 05/11/2014 18:10

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.


Tânia Rêgo/Agência Brasil/Divulgação
Na hora da prova do Enem, se der um 'branco', lembre do semáforo: pare, pense de novo, e quando a ideia chegar, siga para a questão (foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil/Divulgação)


A poucos dias do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), os mais de 8,7 milhões de inscritos empenham-se em tirar as últimas dúvidas e buscar os mais variados recursos para se sair bem na prova. Afinal, além de avaliar a qualidade da educação recebida pelo aluno, o exame é também utilizado como vestibular para uma série de universidades públicas e particulares, tornando-se essencial para definir o futuro de cada participante.

Não à toa, tamanha importância pode acabar gerando uma série de reações emocionais nos estudantes na hora da prova, como o "frio na barriga", o nervosismo e a ansiedade, entre tantos outros. Um dos acontecimentos mais comuns relatados em exames desse porte é o "branco" na hora de resolver uma questão. Ou seja, o estudante domina todos os conceitos, sabe resolver determinado problema, mas de repente se esquece de tudo, como se sofresse um verdadeiro apagão.

"Em primeiro lugar, deve-se ressaltar que isso é normal com todas as pessoas, especialmente pela carga emocional e pela tensão envolvida na prova. O que devemos prevenir é que o 'branco' em uma questão ou em um determinado momento, leve o estudante a um colapso total que o atrapalhe por muito tempo e prejudique todo o seu desempenho', explica a psicóloga Sandra Garcia, diretora pedagógica do Mind Lab Brasil.

Uma das saídas para driblar o "branco" de maneira consciente e inteligente, segundo a especialista, é recorrer a métodos metacognitivos. Ou seja, são recursos organizadores do pensamento e das ações que auxiliam a monitorar e modificar as estratégias para se encontrar respostas em situações de resolução de problemas. "Utilizando símbolos do cotidiano, esses métodos organizam e ampliam estratégias de pensamento, possibilitando a metacognição, ou seja, a reflexão sobre a própria ação ou pensamento", diz Sandra.

Um dos métodos mais conhecidos que tem ajudado muitos estudantes a controlar o nervosismo em avaliações é o do "semáforo". Ao se deparar em uma situação em que o "branco" apareça, lembre da figura e das cores de um sinal de trânsito, pois ela pode reorientar o estudante a dar um passo atrás, para depois seguir em frente. Primeiro, a luz vermelha indica o "Pare! Você precisa reavaliar toda a questão novamente". Depois, a luz amarela, sinaliza "Atenção! Concentre-se novamente em todos os pontos importantes". Por fim, a luz verde, que indica "Siga! Agora que você retomou, vá em frente e resolva o problema".

"Embora pareça simples, o conceito do 'método do semáforo' tem complexidade psicopedagógica e princípios nas neurociências. Ele faz parte de uma metodologia adotada por quase mil instituições de ensino públicas e particulares de todo o Brasil", conta a psicóloga.

Não deixe de ler as matérias diárias da Encontro sobre o Enem 2014!

Últimas notícias

Comentários