Que tal tirar suas dúvidas sobre a hora do parto?

Especialista esclarece 10 pontos que deixam as futuras mamães em dúvidas

por Da redação com assessorias 20/11/2014 16:15

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
Será que a lua influencia o parto? Saiba o que o especialista diz sobre essa e outras dúvidas muito comuns entre as gestantes (foto: Pixabay)
Ao longo dos nove meses de gestação, a mulher tem inúmeras incertezas. Se for mãe de primeira viagem, então, as dúvidas aumentam. À medida que a barriga cresce, a conexão entre mãe e filho aumenta, assim como a ansiedade de finalmente tê-lo nos braços. E a hora do parto, que é o momento mais aguardado do processo, chega carregada de mitos, independentemente se será realizado de forma natural ou por meio de uma cesariana.

Segundo o ginecologista Renato de Oliveira, especialista em reprodução humana, o início do trabalho de parto é diferente para cada mulher, já que algumas conseguem identificar os sinais de quando está chegando a hora, outras, no entanto, confundem o estágio inicial como sendo azia, dor lombar, gazes ou indigestão. "Essa é uma das questões que mais preocupam as futuras mamães. No entanto, elas podem ficar tranquilas, pois existem alguns sinais distintos que indicam se chegou ou não o momento de dar à luz ao tão sonhado bebê", afirma.

Confira abaixo a explicação do especialista para os principais questionamentos das gestantes:

Quais são os sinais de trabalho de parto?
Eles variam de mulher para mulher. Podem se iniciar com dores na região lombar, irradiando para o abdômen e deixando a barriga dura por, aproximadamente, 30 segundos a cada dez minutos – o que caracteriza as famosas contrações. É importante atentar que o simples surgimento de contrações não significa que chegou a hora. Há também trabalhos de parto que se anunciam com um discreto sangramento na região genital ou ainda com a ruptura da bolsa amniótica, derramando o líquido de seu interior (ele parece com água sanitária). Outro sinal, mas que somente o médico pode observar, é a dilatação do colo uterino acima de 2 cm, com um "preparo" do mesmo denominado esvaecimento.

O que fazer após o rompimento da bolsa?
Se a bolsa rompeu, deve-se avisar ao médico e procurar um hospital.

Quando se recomenda fazer uma indução do parto?
A indução pode ser indicada em várias situações. Além das que envolvem alguma complicação obstétrica, como o diabetes e a hipertensão, ela é indicada quando a gestação completa uma semana de "pós-datismo", ou seja, 41 semanas de gravidez. Deve-se induzir, desde que exista indicação para se aguardar até esse período, pois há um aumento significante de complicações ao se passar desta idade gestacional. Independente do motivo, o médico utiliza algumas técnicas como medicamentos ou dilatações por balões ou uma alga com efeito mecânico para a abertura do colo e o desencadeamento de contrações.

Quais exercícios favorecem a dilatação?
A caminhada durante o próprio trabalho de parto, exercícios em bolas apropriadas e subir e descer escadas, desde que acompanhada, podem ser interessantes recursos.

Porque a gestante deve parar de comer ou beber ao entrar em trabalho de parto?
Além da possibilidade de náuseas e vômitos, há o risco anestésico, já que se por algum motivo especial, a paciente necessitar de uma intubação, o estômago cheio aumenta o risco de broncoaspiração, que leva a graves consequências, como a pneumonite química.

A lua influencia no trabalho de parto?
Não há comprovação científica. Apesar de haver a especulação de que o satélite natural atue sobre o líquido amniótico, empurrando o bebê, tal qual faz com as marés, não existe maior número de partos em dias de lua cheia. Talvez, o que seja mais frequente, sejam os comentários nos hospitais sobre ser dia de lua cheia, o que levaria à impressão de que isso interferiria no processo.

Quais os benefícios do parto natural?
A grande vantagem é que não se trata de uma cirurgia propriamente dita, com cortes e suturas, além de o risco de infecção e hemorragia ser menor. Pelo mesmo motivo, a recuperação também é mais rápida no pós-parto. Esse tipo de procedimento também favorece a amamentação, pois há um disparo de hormônios avisando ao organismo que é hora de começar a produzir leite. Também há a relação entre mãe e filho, que tende a se estabelecer desde cedo, já que a mulher participa ativamente do nascimento.

Quando a gravidez é de gêmeos, descarta-se a ideia de parto normal?
A possibilidade de um parto normal está ligada à posição dos bebês. Porém, devido ao grande risco de complicações e ao desaconselhamento de se realizar reposicionamento do bebê, procedimento denominado versão externa, há uma tendência em indicar cesárea para partos que envolvam gêmeos.

Quais a possíveis complicações de uma cesárea?
Por se tratar de um procedimento cirúrgico, há risco de lesão em órgãos como a bexiga e os ureteres, além de infecções e maior sangramento. Isto é minimizado quando a operação é realizada por bons profissionais e uso de antibioticoprofilaxia.

A barriga fica mais flácida após a cesárea?
Ela pode ficar flácida em ambos os partos. Isso depende muito mais de como a mulher se preparou durante a gravidez para fortalecer a musculatura abdominal. Em geral, dentro de seis meses, a mãe volta a ter a barriga de antes, tanto após a cesárea quanto no parto normal.

Últimas notícias

Comentários