Avião da AirAsia pode ter sofrido falha técnica, diz especialista

Devido ao mau tempo na região da Indonésia, sudeste asiático, a aeronave pode ter perdido velocidade de subida e o piloto não teria reconhecido o problema, já que, segundo o profissional consultado pela Encontro, pode ter havido erro na leitura dos instrumentos

29/12/2014 12:58

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Laurent ERRERA/Wikimedia Commons/Reprodução
O Airbus A320 da AirAsia estaria com sua manutenção em dia e pode ter sofrido um erro de leitura dos instrumentos por parte dos pilotos, devido ao mau tempo (foto: Laurent ERRERA/Wikimedia Commons/Reprodução)
O mau tempo é apontado como a principal causa do acidente do Aribus A320 da AirAsia, que desapareceu dos radares no dia 28 de dezembro. Ele estava indo da Indonésia para Cingapura – voo QZ8501 –, e o piloto pediu para "desviar" o plano de voo, segundo informou a companhia aérea malaia. A comunicação com o avião foi perdida quando ainda estava sob o controle de tráfego aéreo da Indonésia, diz a AirAsia em seu perfil do Facebook.

O avião partiu do aeroporto internacional de Juanda, em Surabaia, no leste da ilha de Java, às 5h20 (19h20 no horário de Brasília) e deveria chegar em Cingapura às 8h30 (22h30 no horário de Brasília). O A320 transportava sete tripulantes e 155 passageiros – 138 adultos, 16 crianças e um bebê. De acordo com a televisão indonésia Metro TV, 149 dos passageiros têm nacionalidade indonésia, três são coreanos, um é britânico, e um nacional de Cingapura.

FlightRadar.com/Reprodução
Imagem do site Flight Radar mostra a última posição do voo QZ8501 da AirAsia, indicada pela linha azul (foto: FlightRadar.com/Reprodução)


"É uma região que frequentemente sofre com tempo ruim, com várias tempestades e nuvens que podem chegar a 50 mil pés [mais de 15 mil metros] de altitude. Elas provocam fortes turbulências e que podem causar sérios dados à aeronave. Mas, em uma situação com tempestades severas como essa, o avião pode acabar subindo ou desviando sua rota a fim de evitar essas condições", explica Juarez Silva, piloto comercial ouvido pela Encontro, e que é formado em Belo Horizonte, pelo aeroclube Carlos Prates.

Como ele mesmo diz, as informações colhidas dos radares da região – são extraoficiais ainda – mostram que houve uma diminuição na velocidade de subida: a aeronave deveria chegar a uma altura de 33 mil pés (11 mil metros) e estava com uma velocidade de 350 nós (650 km/h), mas, para o Airbus A320, a velocidade correta seria de 450 nós (830km/h). "Uma possível justicativa para essa diminuição pode ser o mau funcionamento dos instrumentos de voo, que teria sido causado pela condição meteorológica adversa. Ou seja, a leitura feita pelos pilotos estaria incorreta", informa Juarez.

Internet/Reprodução
As imagens do satélite meteorológico mostram nuvens carregadas (manchas vermelhas) sobre a região da ilha de Java, na Indonésia (foto: Internet/Reprodução)


Ele lembra que o piloto do voo QZ8501 era muito experiente, com mais de 20 mil horas, sendo 7 mil voadas em jatos A320 da AirAsia. Além disso, a aeronave teria sido revisada no dia 16 de novembro deste ano, e é equipada com vários sistemas que ajudam a corrigir possíveis falhas mecânicas. "A AirAsia não tem nenhum histórico de acidentes fatais até o momento, provando ser uma empresa que executa corretamente a manutenção de suas aeronaves", afirma Juarez Silva. E completa, dizendo que as fabricantes de aviões, como a francesa Airbus, possuem informações técnicas de todos os voos, o que poderia ajudar a entender esse caso.

Últimas notícias

Comentários