Libéria vai testar duas vacinas contra o ebola

O país mais afetado pela grave doença deve realizar os teste até o fim do mês de janeiro, segundo informa a OMS

09/01/2015 17:46

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Martine Perret/UN/Divulgação
O ebola, que assustou o mundo em 2014, já matou mais de 8,2 mil pessoas e contaminou cerca de 20,7 mil (foto: Martine Perret/UN/Divulgação)
A Organização Mundial da Saúde (OMS) informa que dois projetos de vacina contra o ebola devem começar a ser testados na Libéria até o fim deste mês. O país que fica na África Ocidental é um dos três mais afetados pela doença.

O anúncio foi feito após uma reunião de especialistas da OMS, realizada em Genebra, na quinta-feira dia 8 de janeiro. Um dos participantes, a professora Helen Rees, explica que ainda que não existe uma vacina eficiente no momento, mas os médicos estão confiantes de que o material que "têm em mãos é bastante promissor para que seja levado à area afetada, o mais rapidamente possível".

De acordo com a OMS, as duas outras nações mais atingidas pelo surto de ebola, Serra Leoa e Guiné, devem receber os testes com a vacina até o início de fevereiro.

Para o futuro

A doença já matou mais de 8,2 mil pessoas e contaminou cerca de 20,7 mil.

A diretora-assistente da OMS, Marie Paule Kieny, lembra que as vacinas ainda estão na fase inicial de desenvolvimento e que existe uma "opção limitada" das mesmas. Segundo ela, por se tratar de um tema de saúde de longo prazo, os países devem ter mais opções no futuro, graças aos testes que estão sendo feitos agora.

A médica diz que em 2014 o vírus "desafiou a humanidade", mas em 2015 será o ano em que as melhores mentes científicas irão apresentar uma resposta à doença. Ela finaliza, dizendo que deve levar até seis meses para os especialistas descobrirem se as vacinas estão funcionando. Os testes deverão ser realizados com milhares de voluntários.

(com Agência ONU e reportagem de Daniel Johnson)

Últimas notícias

Comentários