Para especialistas, escola pública não forma leitores

Pesquisa Retratos da Leitura no Brasil mostra que, em 2011, 50% dos entrevistados foram considerados não leitores

04/02/2015 16:15

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Marcos Santos/USP Imagens/Divulgação
De acordo com a pesquisa sobre índice de leitura no país, 75% dos entrevistados de 25 a 70 anos se consideraram não leitores (foto: Marcos Santos/USP Imagens/Divulgação)
A escritora Lucília Garcez, o senador Cristovam Buarque (PDT-DF) e a pesquisadora Zoara Failla concordam: a baixa qualidade do ensino no país pode estar contribuindo para afastar os jovens dos livros. Zoara tem, inclusive, dados que mostram a tendência de queda no número de leitores. Gerente-executiva de projetos do Instituto Pró-Livro, formado pelas principais associações de livreiros do país, ela coordenou a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, último levantamento de peso feito no país sobre o assunto.

A sondagem, encomendada ao Ibope e lançada no início de 2012, ouviu cerca de 5 mil pessoas em 315 municípios e concluiu que a parcela de não leitores aumentou de 45%, em 2007, para 50%, em 2011. A pesquisa considerou como leitores as pessoas que declararam ter lido, inteiro ou em partes, pelo menos um livro nos últimos três meses. "Tem se investido muito em livros e o que se esperava é que tivesse melhorado", diz Zoara.

Para a escritora Lucília Garcez, doutora em linguística aplicada pela Universidade de Brasília, o interesse dos jovens e adultos pela literatura começa na escola, que não cumpre seu papel. "A escola funciona mal como formadora de leitores. Ela não é capaz de desenvolver na criança uma leitura proficiente, a criança não sai da escola dominando a leitura e os professores não são bons formadores de leitores. Eles não levam a criança a descobrir a leitura como uma fonte de prazer, a descobrir a leitura como uma fonte de conhecimento, como uma fonte de crescimento", explica.

Um dado que chama a atenção é a queda no índice de leitura a partir dos 25 anos de idade. Na faixa até 24 anos, 49% dos entrevistados disseram ser leitores, mas, dos 25 aos 70, o percentual de não leitores foi de 75%. "Outra falha da nossa escola é essa: por que ela estimula a leitura durante a escolarização e essa leitura não é duradoura? Não permanece? A pessoa não cria o hábito de ler duradouro, para o resto da vida", questiona Lucília Garcez.

Jefferson Rudy/Agência Senado/Divulgação
Em sua biblioteca, a escritora Lucília Garcez posa com 17 obras de sua autoria: "A escola funciona mal como formadora de leitores" (foto: Jefferson Rudy/Agência Senado/Divulgação)


O senador Cristovam Buarque, que tem um mandato fortemente ligado à educação, aprofunda a crítica à qualidade do ensino. "Dizem por aí que nós temos 95% das crianças na escola. Não são escolas. São uns prediozinhos muito ruins, feios e sujos, com algumas pessoas dedicadíssimas, que a gente chama de professor",  afirma.

Internet

A escritora Lucília Garcez também aponta o Facebook como uma possível causa da queda no número de leitores no Brasil. "A pesquisa não investigou isso, mas eu conheço pessoas que passam um tempo enorme na frente do computador", diz.

Para Zoara Failla, o uso de novas tecnologias pode dificultar a aproximação dos livros por quem ainda não foi despertado pelo gosto da leitura. Ela até admite que as pessoas que passam muito tempo na internet têm, por exemplo, o acessso facilitado aos e-books, os livros eletrônicos. Mas, na opinião da pesquisadora, essa facilidade não leva obrigatoriamente à leitura.

(com Agência Senado)

Últimas notícias

Comentários