Crianças negras poderão ter preferência na adoção

Proposta em análise na Câmara dos Deputados quer mudar a mentalidade dos pais que, na hora de adotar, preferem bebês da cor branca

17/02/2015 09:14

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
De acordo com o deputado, autor do projeto, é preciso mudar a mentalidade das famílias adotantes, que dão preferência para bebês e que sejam da cor branca (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
A Câmara dos Deputados analisa um projeto de lei (PL 8051/14), do deputado Marco Feliciano (PSC-SP), que garante rapidez na tramitação de processos de adoção de crianças negras, crianças com mais de quatro anos ou de irmãos que sejam adotados pela mesma família ou por famílias diferentes. A proposta altera o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) que, hoje, assegura prioridade apenas na adoção de criança ou adolescente com deficiência ou doença crônica.

Segundo Feliciano, o projeto tem a finalidade de mudar o cenário da adoção. “É de causar perplexidade, o elevado número de crianças e adolescentes à espera de adoção. Mais triste ainda, e cruel, é a constatação de que os adotandos negros, irmãos ou com mais de quatro anos de idade enfrentam uma espera ainda maior”.

O parlamentar lembra que um dos maiores obstáculos do sistema de adoções é o fato de a maioria das crianças e adolescentes disponibilizados não apresentarem as características esperadas pelas famílias inscritas no cadastro. “É grande a rejeição das famílias em adotar crianças e adolescentes de idade mais avançada, que têm irmãos, são morenas ou negras ou que apresentem problemas de saúde. Essa cultura torna o processo de adoção muito lento”, lamenta.

Uma das consequências na demora dos processos apontadas por Feliciano é o elevado número de famílias cadastradas se comparado ao de crianças e adolescentes precisando de adoção. “É lamentável saber que a sociedade brasileira ainda não conseguiu superar a barreira do preconceito e a acolher indiferentemente todas as nossas crianças e adolescentes".

Menos de 5% das crianças inscritas no Cadastro Nacional de Adoção têm entre zero e três anos de idade e 77% delas já passaram dos 10 anos, segundo pesquisa do Conselho Nacional de Justiça.

A proposta será analisada pelas comissões de Seguridade Social e Família e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários