Da padroeira de Minas Gerais à padroeira do Brasil

Novo caminho religioso na Estrada Real convida peregrinos a percorrer, à pé, a cavalo ou de bicicleta, em uma única viagem ou por etapas, um trajeto que vai do Santuário Nacional de Aparecida ao Santuário Nossa Senhora da Piedade

11/03/2015 11:50

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Jair Amaral/EM/D.A Press
O Santuário da Serra da Piedade, em Caeté, Minas Gerais, é o ponto de chegada do novo Caminho Religioso da Estrada Real (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
Desenvolvido pela secretaria de estado Turismo e Esportes de Minas Gerais, em parceria com o Instituto Estrada Real, e inspirado no Caminho de Santiago de Compostela, na Espanha, o Caminho Religioso da Estrada Real foi criado a partir de um levantamento do aumento do turismo religioso no país e em nosso estado. Dados da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas apontam que 8,1 milhões das viagens domésticas no Brasil são motivadas pela fé. Além disso, quase a metade dos brasileiros que vão a Aparecida do Norte todos os anos é de mineiros.

Em 2017, o Santuário Nossa Senhora da Piedade, que fica na cidade de Caeté, a 47 km de Belo Horizonte, completa 250 anos de peregrinação. Para celebrar a data, o arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira de Azevedo, convidou o papa Francisco para participar das comemorações. O santuário é o ponto de chegada do Caminho Religioso da Estrada Real – que já se encontra todo sinalizado para os caminhantes. O outro extremo é Santuário Nacional de Aparecida, em Aparecida, interior de São Paulo. O peregrino pode percorrer o caminho a pé, a cavalo ou de bicicleta, em uma única viagem ou por etapas, conforme a sua disponibilidade. Ao todo, são 1.032 km que perpassam 38 municípios, sendo 33 em Minas Gerais e cinco em São Paulo.

De acordo com o secretário de Turismo e Esportes, Geraldo Pimenta, o turismo religioso é o que mais cresce no mundo. "Para se ter uma ideia, em todo o ano de 2010, o santuário mineiro recebeu 30 mil visitantes. Este ano, somente em janeiro, ou seja, em um mês, 35 mil pessoas visitaram o local. É importante ressaltar que o movimento fortalece o desenvolvimento da economia do turismo, gerando empregos, renda e a consequente melhoria da qualidade de vida das comunidades ao longo do caminho", diz o secretário.

Ed Alves/CB/D.A Press
O imponente Santuário Nacional de Aparecida, em São Paulo, é o ponto de partida do novo caminho religioso brasileiro, que se inspira no Caminho de Santiago de Compostela, na Espanha (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)


Rota da fé

Partindo da Serra da Piedade, a 1.696m de altitude, ponto mais alto do percurso, o caminhante observa o maciço do Espinhaço, juntamente com as serras do Caraça, do Itacolomi, do Itabirito e de Ouro Branco – todas localizadas na região do Quadrilátero Ferrífero.

O caminho segue em direção ao Campo das Vertentes, onde se sobressaem as serras do Gambá, do Lenheiro e de São José. Passa pelo Sul de Minas, local de solo fértil, domínio da imponente serra da Mantiqueira, que faz a divisa natural entre Minas Gerais e São Paulo. No trajeto estão algumas unidades de conservação, como o Santuário do Caraça, o parque estadual do Itacolomi, com altitudes que variam de 700m a 1.772m e grande diversidade biológica, além de diversos cursos de água e a Área de Proteção Ambiental da Serra da Mantiqueira.

No itinerário encontra-se o Santuário Nossa Senhora da Conceição, antiga Igrejinha de Nhá Chica, que acolhe peregrinos de todo o Brasil e de diversas partes do mundo. O santuário, que abriga o corpo da beata, está localizado em Baependi, município onde Nhá Chica viveu desde bem criança. A cidade de São João del-Rei, onde a beata nasceu, também faz parte do trajeto.

A ideia é seguir a mesma dinâmica do Caminho de Santiago de Compostela. O peregrino receberá um passaporte, que será carimbado em cada uma das cidades por onde passa. Ao final do trajeto, receberá um certificado, distribuído em um dos dois extremos do caminho. Os passaportes poderão ser retirados nos locais credenciados pelos municípios.

(com Agência Minas)

Últimas notícias

Comentários