Lambida de cachorro faz mal?

Algumas pessoas acham que a saliva do animal pode até curar ferimentos, mas, especialista garante que isso não condiz com a verdade

por Vinícius Andrade 23/03/2015 17:57

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
Estudo americano associa a saliva do cachorro a benefícios para o organismo humano, porém, especialista não confirma essa teoria (foto: Pixabay)
Você é daqueles que gosta de ganhar um beijo do seu cão? Cientistas da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, suspeitam que a lambida de um cachorro pode fazer bem para a saúde dos humanos. Segundo os pesquisadores, os micróbios escondidos nos intestinos dos animais podem ter um efeito probiótico no corpo de seus donos. Mas, cuidado: os estudos ainda são iniciais e não receberam o aval de profissionais da área.

O médico veterinário João Carlos Toledo, professor da PUC Minas, não recomenda o excesso de intimidade com o animal de estimação. "Qualquer saliva é perigosa, até mesmo a do ser humano. Porque é um lugar onde se concentram muitas bactérias. Considerando que o cão costuma lamber as partes íntimas, o chão, e alguns até comem fezes (cropofagia), o risco de contaminação é grande", alerta.

O especialista desconhece que a lambida do cão possa ter um efeito probiótico para os seres humanos. "A saliva do cachorro possui enzimas que ajudam na digestão, mas, sinceramente, eu não acredito que seja capaz de provocar um efeito positivo para o intestino das pessoas. A flora bacteriana do animal é diferente da flora do ser humano. É muito temerário esse tipo de interação", analisa. Os cientistas do estado do Arizona estão recrutando voluntários para participarem de uma nova pesquisa que comprove ou não se as suspeitas são verdadeiras.

João Carlos Toledo não aconselha a intimidade exagerada com os cães, mas apoia a interação com os animais. "É importante ressaltar que o cachorro possui uma função muito importante na convivência com os humanos, podendo ajudar crianças e idosos. Essa boa relação é comprovada por estudos", enfatiza.

Últimas notícias

Comentários