Um off-road de verdade entre os compactos

Fiat Chrysler Automobile apresenta o Jeep Renegade, fabricado em Pernambuco, e que promete mexer com o mercado de SUVs no Brasil

por Fábio Doyle* 25/03/2015 17:12

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
FCA/Divulgação
O Jeep Renegade chega com suas linhas mais retas, mas com design compacto e uma inovação: é o primeiro da categoria a ter câmbio automático de nove marchas (foto: FCA/Divulgação)
RIO DE JANEIRO - O primeiro carro pernambucano do Brasil chega ao mercado na forma de um jipe e com a marca Jeep, prometendo fazer uma revolução no conceito dos SUVs. Sob a batuta da FCA – Fiat Chrysler Automobile, o Jeep Renegade foi projetado como um SUV do segmento B, situando-se entre o segmento JK e o ML, segundo Mark Allen, diretor de design da Jeep nos Estados Unidos e um dos “autores” desse projeto.

Saindo da linha dos SUVs com design “cute” (bonitinho/moderninho) o Renegade tem as linhas mais retas e quadradas que marcam a personalidade tradicional de um off-road puro sangue, como o Renault Duster, mas ainda mais acentuadas. Explorando o carro mais de perto, nota-se que ele passa a sensação de um ‘objeto’ sólido, durável, não apenas no visual, mas também no toque, na espessura da lataria e no tato com o volante e comandos internos.

Há quem prefira os SUVs com design de linhas mais suaves e futuristas, como o do também recém-lançado Honda HRV e o da segunda geração do Ford Ecosport. Mas para os que procuram uma personalidade mais marcante, ousada e que convide a caminhos mais ousados, o Renegade promete agradar.

Para os criadores do Renegade, ele é a “reinvenção do segmento” e o mais potente da categoria, afirmou Alexandre Clemes, gerente de produto da Jeep no Brasil. Sua chegada ao mercado representa uma expansão da linha de veículos da marca, entrando no segmento dos SUVs compactos de caráter mais urbano, sem abandonar a fidelidade à capacidade 4x4 e ao estilo de vida aventureiro que caracterizam a marca Jeep.

Disponível nas versões Sport, Longitude e Trailhawk, o Renegade é um SUV compacto que pretende agradar tanto no trânsito urbano quanto em estradas de terra. Clemes garante que ele tem o melhor desempenho on-road e off-road entre os concorrentes. Seu design tem personalidade marcante, a cabine é de bom tamanho em se tratando de um compacto e no acabamento predominam peças “emborrachadas” que transmitem qualidade e resistência.

FCA/Divulgação
(foto: FCA/Divulgação)


Um dos destaques é a oferta de dois câmbios automáticos – o primeiro de nove marchas do segmento, importado do Cherokee. Os motores são dois: o 2.0 MultiJet II turbodiesel – que o fabricante diz ser o mais potente da categoria e o Evo Flex 1.8 E.torq. Com mais de 60 itens, a relação de opcionais permite ao comprador configurar o carro da maneira que mais lhe agradar. É um trabalho complexo, que segundo comentário de um concessionário da marca, torna muito complexa a elaboração da lista de carros que irá pedir. “Seria mais racional se cada versão já viesse completa e sem essa grande variedade de opcionais”, argumentou o concessionário.

Sérgio Ferreira, diretor da marca Jeep para América Latina e diretor geral da Chrysler Brasil, ressalta que o Renegade, vendido em mais de 100 países, “não deriva de nenhum carro de passeio; foi projetado desde o início para ser um SUV compacto, o que faz dele o modelo mais adequado para rodar na cidade, na estrada ou no off-road”.

Batizada pelos designers de “Tek-Tonic”, a linguagem estilística do habitáculo mistura formas sutis com detalhes mais rústicos e funcionais. As saídas de ar centrais lembram óculos escuros de marcas de esportes radicais, e há outros toques que lembram atividades de aventura, como as molduras da base da alavanca do câmbio e dos alto-falantes nas portas. O “X” das lanternas traseiras aparece em vários pontos, como nos porta-copos no console central. E, para acomodar a bagagem, há recursos como o banco do passageiro dianteiro com porta-objetos debaixo do assento e com encosto rebatível (para frente), além do assoalho 2 em 1 no piso do porta-malas. De um lado, a peça é revestida de tecido e do outro, de vinil, solução que visa facilitar a limpeza.

Motores

Único motor a diesel do segmento, o 2.0 MultiJet II turbo despeja 170 cv a 3.750 rpm e 35,7 kgfm a 1.750 rpm, traz a tecnologia MultiJet de segunda geração, patenteada pela Fiat Powertrain. Esse sistema common rail (duto único) controla a injeção de combustível em alta pressão (até 1.600 bar). Os injetores do tipo solenoide são capazes de trabalhar múltiplas vezes em cada ciclo de combustão, para diminuir o consumo de diesel.

FCA/Marcos Camargo/Divulgação
(foto: FCA/Marcos Camargo/Divulgação)


A turbina VGT, de geometria variável, combina potência em alta velocidade e bom torque em baixas rotações. Além disso, o virabrequim tem contrapesos desenvolvidos para reduzir as vibrações em giros altos. A eficiência energética do 2.0 MultiJet II turbo, aliada ao tanque com capacidade de 60 litros, permitirá longas viagens, como ir do Rio de Janeiro a São Paulo e voltar, sem abastecer, informou o fabricante.

O novo 1.8 16V E.torQ Evo incorporou melhoramentos em busca de mais agilidade no arranque, retomadas mais rápidas e 5% de redução de consumo. Com 100% de etanol no tanque (também de 60 litros), a potência se manteve em 132 cv, mas o torque subiu de 18,9 para 19,1 kgfm e surge mais cedo, a 3.750 rpm (antes, a 4.500 rpm).

Há novos pistões, nova câmara de combustão, novos coletores de admissão e escape, válvulas maiores, velas de ignição menores e o variador de fase no comando de válvulas, evoluções que, combinadas geraram aumento da taxa de compressão do motor (de 11,2:1 para 12,5:1), e curva de torque mais plana, na qual 82% da força máxima está disponível a 1.500 rpm.

Transmissões

O Jeep Renegade é o primeiro SUV compacto do mundo a ter câmbio automático de nove marchas, ressalta Ferreira. Combinada ao motor turbodiesel 2.0 MultiJet II, a transmissão proporciona acelerações fortes, entrega progressiva do alto torque de 35,7 kgfm em qualquer situação e funcionamento suave – a 120 km/h o ponteiro do conta-giros marca 1.000 rpm.

Já com o 1.8 E.torQ 16V flex, além de um câmbio manual de cinco marchas, está presente uma transmissão automática de seis marchas inédita em modelos da Jeep em todo o mundo e em veículos do grupo FCA no Brasil. Essa caixa também tem operação bem acertada e, rodando a 120 km/h, faz o motor girar a 2.600 rpm (ante 3.500 giros com a transmissão manual). Os dois câmbios automáticos contam com opção de comando sequencial na alavanca e, a partir da versão Longitude, também por aletas no volante.

Além da plataforma própria, moderna e robusta, com suspensão independente nas quatro rodas, o Renegade é bem equipado em termos de tecnologia.

É o caso do sistema multimídia Uconnect Touch com duas opções de telas coloridas de 5 ou 6,5 polegadas, com conexão Bluetooth, comandos de voz, navegação GPS, entre outros recursos. No painel, o Renegade pode ter ainda (opcionalmente) com tela colorida multifuncional de TFT de 7 polegadas no quadro de instrumentos.

FCA/Divulgação
(foto: FCA/Divulgação)


Primeiro nacional com Park Assist

Finalmente, o Jeep Renegade será o primeiro veículo fabricado no Brasil a ter o sistema Park Assist, de estacionamento autônomo. E ainda traz de série freio de estacionamento eletrônico, que dispensa a alavanca, bem como a intervenção do motorista para ativá-lo ou desativá-lo.

A Jeep apresenta uma lista de 60 itens relacionados à segurança no Renegade.  Indo muito além dos obrigatórios airbags dianteiros e freios ABS, os controles de tração e de estabilidade, por exemplo, são equipamentos de série em todas as versões, bem como os controles anticapotamento e de estabilidade de trailer.

No banco traseiro o passageiro central conta com cinto de três pontos e encosto de cabeça, item que até hoje muitas marcas insistem em não incluir em seus carros. Há também pontos Isofix para fixação segura de assentos infantis. Faróis de neblina e sensores de estacionamento traseiro são também de série em todas as versões. Completando, um dos pacotes de opcionais, o Safety, adiciona ainda airbags laterais, de cortina e de joelhos (totalizando sete bolsas de proteção) e sistema de monitoramento da pressão dos pneus.

Desempenho on-road e off-road

O Renegade é o primeiro veículo do grupo FCA a utilizar a nova arquitetura “Small-Wide 4x4”, que nasceu para gerar um SUV compacto com tração 4x4. Com suspensão independente nas quatro rodas (em todas as versões), o Renegade tem articulação de roda de até 205 mm e 212 mm de altura do solo (na versão Trailhawk). A tecnologia 4X4 do Renegade é a mesma utilizada no Cherokee. É um sistema capaz de enviar até 200 kgfm de torque para as rodas traseiras, se for preciso, para otimizar a aderência, informou a Jeep.

Sistema exclusive 4x4 – Jeep Active Drive Low

O Renegade apresenta eixo traseiro e unidade de transferência de força (PTU) totalmente desconectáveis – para aliviar a transmissão quando a tração nas quatro rodas não é necessária e, desse modo, economizar combustível. Assim que a tração 4x4 se faz necessária, ela é acionada instantaneamente. Todos os Renegades equipados com o Jeep Active Drive Low contam com subchassi traseiro.

O sistema inclui o controle de tração Selec-Terrain, que entrega até cinco modos de operação: Auto (automático), Snow (neve), Sand/Mud (areia/lama) e o exclusivo Rock (pedra) na versão Trailhawk.

FCA/Marcos Camargo/Divulgação
(foto: FCA/Marcos Camargo/Divulgação)


Personalização para todos os gostos

Outra curiosidade no Renegade são os dois tetos solares especiais na lista de opcionais, ambos ocupando quase todo o teto do modelo. O panorâmico Command View, de vidro, no qual a parte sobre os ocupantes dianteiros é retrátil, e o inédito My Sky. Ele consta de dois painéis leves de poliuretano que podem ser removidos e abrigados no porta-malas. O painel dianteiro ainda é retrátil eletricamente, como um teto solar convencional. Quem quiser mais, tem ainda a lista de 71 acessórios oferecidos pela Mopar.

Custo de manutenção

O Renegade tem o menor custo de manutenção do segmento, garantiu Clemes. As revisões deverão ser feitas a cada 12 mil km (ou 12 meses), até 72 mil km, para os modelos com motor 1.8 bicombustível. Já as versões turbodiesel terão intervalos a cada 20 mil km (ou 12 meses), até 120 mil km. A garantia é de três anos sem limite de quilometragem, com suporte do programa de assistência Privilege por todo o período.

Rede

Para atender ao forte crescimento esperado pela Jeep com a chegada do Renegade, a FCA garantiu para abril uma rede de 120 concessionários em operação no País (sendo 76 exclusivas da Jeep e 46 também com as marcas Chrysler, Dodge e Ram), ao lado da linha de importados composta por Compass, Cherokee, Grand Cherokee e Wrangler. Até o fim do ano, a promessa é de uma rede com 200 pontos de venda no país.

Jeep Renegade (versões, preços e potência):

  • Sport 1.8 Evo torq Flex manual (130 cv): R$ 69.900
  • Sport 1.8 Evo torq Flex automático (130 cv): R$ 75.900
  • Sport 2.0 Turbo Diesel 4x4 (170 cv): R$ 99.900
  • Longitude 1.8 Evo torq Flex manual (130 cv): R$ 80.900
  • Longitude 2.0 Turbo Diesel 4x4 (170 cv): R$ 109.990
  • Trailhawk 2.0 Turbo Diesel 4x4 (170 cv): R$ 116.990

Observação: a Jeep anunciou para daqui a três meses uma nova versão de entrada que terá preço sugerido de R$ 66.900.

*Viajou a convite da FCA (Fiat Chrysler Automobile)

Últimas notícias

Comentários