Parque da Gameleira não deve mudar de lugar

A possibilidade de fechamento de centro agropecuário que fica na região oeste de Belo Horizonte foi desmentida pelo governo de Minas

09/04/2015 15:47

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Reprodução
O parque da Gameleira foi construído em 1938, e desde 2013 havia um boato de que ele seria desativado, que foi desmentido pela secretaria de estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (foto: Reprodução)
Em audiência pública na Comissão de Política Agropecuária e Agroindustrial da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) realizada na quarta-feira, dia 8 de abril, o secretário de estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, João Cruz Reis Filho, garantiu a continuidade do parque de Exposições Bolivar de Andrade, ou parque da Gameleira, que fica na região oeste de Belo Horizonte. A reunião contou com a participação de várias entidades que representam criadores de cavalos, preocupados com a possibilidade de transferência do centro agropecuário para outro local.

"Realizaremos a grande exposição estadual na primeira semana de junho, para a qual convido todos a levarem seus animais. Não podemos deixar que o evento seja um fiasco. Contamos com vocês", informa o secretário João Cruz Reis Filho.

A notícia deixou aliviados os criadores de cavalos, tendo em vista que desde 2013 fala-se na possibilidade de fechamento do parque de exposições. O gerente do local, Mendelssohn de Vasconcelos, também comemora a garantia dada pelo secretário: "O parque é um patrimônio, por sediar as exposições nacionais mais importantes, e eu fico muito satisfeito com a sua continuidade".

Maior rebanho do mundo

O Brasil possui 8 milhões de equídeos – como cavalos e jumentos –, que formam o quarto maior rebando do mundo. Em todo o país, 640 mil pessoas são empregadas pela equinocultura.

Segundo o representante da Associação Brasileira dos Criadores de Cavalo Campolina, Alessandro Moreira Procópio, em Minas Gerais, metade dos animais são usados para trabalho e em fazendas. "Cavalo deixou de ser coisa de gente rica", afirma o criador.

Quem também lembra a importância da equinocultura para o estado é Thiago de Rezende Garcia, da Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Mangalarga Marchador: "Muita gente vê a criação de cavalos como hobby, mas a realidade não é essa. Dos nossos quase 10 mil sócios, mais da metade são mineiros. Além disso, grande parte dos eventos nacionais acontecem aqui", diz.

(com assessoria da ALMG)

Últimas notícias

Comentários