Muita gente confunde distonia com tique nervoso

Doença incapacitante que atinge cerca de 65 mil brasileiros não tem cura, mas tratamento diminui os movimentos involuntários e as dores

por Da redação com assessorias 07/05/2015 16:38

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Contrações musculares involuntárias e que popularmente são confundidas com "tique" nervoso, podem mascarar os primeiros sinais de uma doença incapacitante. Trata-se da distonia, uma síndrome neurológica que afeta cerca 65 mil brasileiros, de acordo com o Ministério da Saúde. O problema é que ainda é frequente encontrar pacientes que pouco conhecem sobre o distúrbio ou o confundem com outras patologias.

A distonia se caracteriza por movimentos involuntários, que podem levar a ações de torção ou posturas anormais do indivíduo. De origem genética ou associada a outras enfermidades, como doença de Parkinson, infecções e traumas diversos. A síndrome que afeta o sistema neurológico acomete pessoas de qualquer faixa etária.

Os espasmos provocados pela doença podem afetar uma única parte do corpo, como os olhos, o pescoço, os braços ou as pernas (distonias focais); duas partes, como o pescoço e tronco (distonias segmentares); um lado inteiro do corpo (hemidistonia); ou praticamente o corpo todo (distonia generalizada).

Segundo Péricles Tey Otani, médico fisiatra pela Universidade de São Paulo, a distonia ainda é alvo de preconceito por parte da sociedade. "Além de afetar a autoestima do paciente, ao impossibilitá-lo de realizar tarefas  do seu dia a dia, muitas pessoas quando presenciam os movimentos involuntários podem ter conclusões equivocadas sobre o paciente e tratá-lo de forma discriminatória.  Sem o tratamento correto, a doença pode evoluir para formas incapacitantes, levando a dificuldades para andar, escrever, comunicar-se e enxergar", explica o especialista.

No mundo, a incidência da doença  pode chegar a até 7 mil casos para cada milhão de habitantes. Um dos casos mais famosos é o do maestro João Carlos Martins, portador de distonia focal nas mãos – responsável por tirá-lo da função de pianista por alguns anos, passando a atuar como regente de um modo muito peculiar.

Um doa ratamentos mais comuns é a aplicação de toxina botulínica A, feita diretamente no músculo e que consegue inibir a contração muscular involuntária. A aplicação, que pode ser refeita de 3 a 5 meses, relaxa o músculo afetado e melhora a dor associada,  o que possibilita, em alguns casos,  que o paciente possa realizar tarefas cotidianas antes limitadas.

Últimas notícias

Comentários