Inglaterra pretende sediar próximas copas do mundo investigadas pelo FBI

Com as suspeitas de irregularidade nas escolhas das sedes dos Mundiais de 2018 e 2022, os ingleses pedem a troca de local

05/06/2015 16:21

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.


Tomaz Silva/Agência Brasil/Divulgação
Entre as investigações que estão sendo feitas no FBI em relação à Fifa, existe suspeita de que a escolha da Rússia e do Qatar para sediarem a Copa do Mundo tenha sido comprada (foto: Tomaz Silva/Agência Brasil/Divulgação)
O ministro do Esporte da Inglaterra, John Whittingdale, afirmou que o país está preparado para receber os jogos das Copas de 2018 e 2022, caso a Rússia e o Catar percam o direito de sediá-las. A escolha das duas sedes é investigada por autoridades norte-americanas, que suspeitam de pagamento de propina e lavagem de dinheiro. "Temos a capacidade para fazer [o mundial] e temos a infraestrutura necessária. Apresentaremos uma candidatura fascinante para receber o Mundial de 2018, que infelizmente acabou por não ser escolhida%u201D, disse o ministro. Contrária à posição do ministro, a Confederação Asiática de Futebol reiterou hoje apoio à organização da Copa de 2022 pelo Catar. Em comunicado, a confederação declarou que "toda a comunidade asiática de futebol está de coração com o Catar, estamos impacientes para receber o Mundial de futebol e receber o mundo%u201D. Os questionamentos recentes sobre a escolha da sede das Copas de 2018 e 2022 teve início na semana passada, quando o FBI, a polícia federal norte-americana, e a polícia suíça desencadearam uma operação internacional para desarticular o esquema de corrupção na Fifa. Há a suspeita que ex-dirigentes da entidade podem ter movimentado ilegalmente mais de US$ 150 milhões. A propina era cobrada durante as negociações de contratos publicitários, transmissões de jogos e na escolha dos países-sede das duas próximas copas do Mundo (Rússia, 2018, Catar, 2022). Até agora, a federação proibiu 14 pessoas de frequentar suas atividades. (com Portal EBC e Agência Lusa)

Últimas notícias

Comentários