Casos de dengue no Brasil ultrapassam 1 milhão

Segundo o Ministério da Saúde, o sudeste é a região de maior incidência, com quase 660 mil casos

10/06/2015 12:35

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Betina Carcuchinski/PMPA/Divulgação
Em comparação com 2014, quando foram notificados 411,2 mil casos de dengue no Brasil, houve aumento de 148% de notificações em 2015 (foto: Betina Carcuchinski/PMPA/Divulgação)
Até o dia 30 de maio deste ano, 1.021.004 casos de dengue foram notificados em todo o país. Os dados foram divulgados nesta quarta, dia 10 de junho, pelo Ministério da Saúde durante audiência pública no Senado. O novo balanço revela que foram registrados 314 casos graves da doença e 378 mortes no mesmo período.

Os números mostram que o Centro-Oeste apresentou a maior incidência de casos de dengue, com 787,9 casos para cada 100 mil habitantes e um total de 119.912 casos. Já o Sudeste é a região do país com o maior número de casos, totalizando 659.900.

Na comparação com 2014, quando foram notificados 411,2 mil casos da doença no Brasil, houve aumento de 148% no número de casos este ano. Em relação aos óbitos, o número de 2015 representa  aumento de 33% em relação aos 285 registrados no ano anterior.

O ministro da Saúde, Arthur Chioro, avaliou que o país enfrenta uma situação parecida com a de 2013, quando foram notificados 1,3 milhão de casos de dengue e 494 mortes pela doença. "O resultado positivo de 2014 [quando houve redução expressiva dos casos e das mortes por dengue] deveria ter resultado na intensificação das medidas de controle", diz.

Chioro acrescentou que, com a chegada do inverno, acompanhada pela queda de temperatura e pela redução das chuvas, a tendência é que os casos de dengue diminuam. Números da pasta mostram que, entre maio e abril deste ano, já houve uma redução de 68% nos casos notificados.

"Já estamos observando uma diminuição expressiva dos casos de dengue", diz o ministro. "A tendência é continuar caindo", conclui.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários