É possível escolher o sexo do bebê na hora da relação sexual?

Esse boato que circula na internet, e mesmo entre as pessoas, diz que a posição do homem e da mulher durante o sexo pode ajudar a definir o gênero da criança. Você acredita?

15/06/2015 16:40

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Biologydiscussion.com/Reprodução
Apesar da crença de que a posição sexual pode induzir ao sexo da criança, o especialista diz que isso não passa de um mito (foto: Biologydiscussion.com/Reprodução)
Uma das maiores expectativas da gravidez é a definição do sexo da criança. Em alguns casos, existe até conflito entre o casal por conta das preferências pessoais. E se fosse possível escolher entre menino ou menina durante a relação sexual? Algumas teorias afirmam que a posição usada durante o momento íntimo podem determinar o gênero do bebê. Será que faz sentido ou trata-se de um mito?

saiba mais

Conforme a hipótese, quando o homem fica por cima da parceira durante o sexo, existe uma penetração mais profunda, acelerando a entrada dos espermatozoides com cromossomo Y, determinando, portanto, o sexo masculino. Se a ideia é ter uma filha, o parceiro teria de ficar atrás da mulher ou ter uma penetração parcial. Dessa forma, os gametas masculinos acabariam morrendo no caminho, enquanto os femininos – mais resistentes – chegariam até o óvulo.

Porém, segundo o obstetra Clóvis Antônio Bacha, da Maternidade Santa Fé e membro da Associação de Ginecologistas e Obstetras de Minas Gerais, as posições sexuais não possuem nenhuma relação com o gênero do bebê. De acordo com o médico, o que poderia influenciar no sexo da criança seria o período em que se realiza a concepção. "Se houver relações no período fértil da mulher, geralmente no 14º dia antes do período ovulatório, teria maior possibilidade [entre 10 e 15%] de nascer homem. É uma consideração biologicamente aceita, mas é difícil de acontecer, na prática", explica o especialista.

Maioria feminina no Brasil

Estima-se que as mulheres representem 51,5% da população brasileira, conforme a última pesquisa do IBGE. No entanto, como mostra Clóvis Antônio, nascem 165 homens para cada 100 mulheres. Seriam números contraditórios, mas o especialista explica que os bebês prematuros, do sexo feminino, são mais resistentes. Além disso, pessoas do gênero masculino estão mais sujeitas a assassinatos e acidentes automobilísticos.

Gênero definido

É possível determinar o sexo do bebê por meio da fertilização in vitro, já que os espermatozoides são previamente selecionados. No entanto, a prática não é permitida no Brasil, segundo resolução do Conselho Federal de Medicina.

Últimas notícias

Comentários