Especialista em vencer o Atlético, Adilson reencontra a torcida alvinegra

Em confrontos contra o Galo, no passado, sob o comando do Cruzeiro, o treinador conseguiu nada menos que nove vitórias em 12 jogos

por Vinícius Andrade 24/06/2015 09:05

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Assessoria de Imprensa JEC/Divulgação
No comando do Joinville, será que o técnico Adilson Batista conseguirá mostrar sua capacidade de vencer o Atlético-MG, como fazia no do Cruzeiro? (foto: Assessoria de Imprensa JEC/Divulgação)
O confronto deste domingo entre Atlético e Joinville, pela 9ª rodada do Campeonato Brasileiro, está longe de ser um clássico. No entanto, o duelo possui um ingrediente especial, já que o Galo vai reencontrar um velho conhecido, que não traz boas lembranças ao torcedor alvinegro. Trata-se do técnico Adilson Batista, atual comandante da equipe catarinense e o maior algoz atleticano em jogos contra o Cruzeiro. Sob comando da Raposa, o treinador conseguiu um aproveitamento altamente positivo nos clássicos. Em 12 jogos, venceu nove, empatou dois e perdeu um.

O Galo ocupa a quarta posição no Brasileirão, enquanto o Joinville é o 19º, na zona de rebaixamento. Apesar dos extremos na tabela, o atleticano deve se preocupar com o treinador "especialista" em vencer a equipe alvinegra? Para o comentarista esportivo da Rádio Itatiaia, Cadu Doné, são cenários bem diferentes. "Não dá para fazer uma relação direta entre o que aconteceu com Cruzeiro e Atlético e o jogo contra o Joinville, porque é muito diferente. Antes, era um clássico e tudo é diferente, inclusive na preparação da semana. Atlético e Joinville é um jogo normal de Campeonato Brasileiro, sem rivalidade nenhuma. Joinville é um time pequeno", analisa o radialista.

A sequência positiva de Adilson nos clássicos contra o Galo inclui duas goleadas por 5 a 0, pelas finais do Campeonato Mineiro. O único placar adverso foi o 3 a 0, no dia 12 de julho de 2009, pelo Brasileirão. Na ocasião, o Cruzeiro jogou com a equipe mista, porque se preparava para a final da Libertadores contra o Estudiantes. Segundo Cadu, a Raposa tinha um time melhor que o rival nesse período, mas, apesar da superioridade, Adilson teve os méritos pelo ótimo aproveitamento. "Não é normal existir uma série tão favorável para um dos lados. Então, o Adilson sabia jogar contra o Atlético, sabia motivar muito os jogadores. Ele, realmente, tinha um dom para lidar com o time celeste nos clássicos", aponta o comentarista.

O duelo para definir quem leva a melhor (Atlético ou Adilson) acontece neste domingo, às 11h, no Mineirão. O horário matinal, que vem sendo adotado na atual edição do Campeonato Brasileiro, está agradando o torcedor alvinegro, que promete lotar o Gigante da Pampulha.

Últimas notícias

Comentários