Sabia que a azia pode estar ligada à obesidade?

Segundo especialista, o sobrepeso faz com que o estômago seja contraído, induzido o ácido gástrico a 'invadir' o esôfago e a garganta

por Da redação com assessorias 30/06/2015 15:27

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
Além de causar sobrepeso, alimentos gordurosos são um vilão para quem sofre com o refluxo esofágico, que é mais conhecido como azia (foto: Pixabay)
Uma pesquisa do Ministério da Saúde divulgada este ano revela que o índice de brasileiros acima de peso é de 52,5%, ou seja, mais da metade da população brasileira e, destes, 17,9% são obesos. Esse aumento do número de pessoas com sobrepeso no país, nos últimos anos, gera também o crescimento da quantidade de pacientes afetados pelo refluxo esofágico, conhecida popularmente como azia.

A doença ocorre quando há o abuso do consumo de alguns tipos de bebidas ou alimentos. Um estudo recente comprovou que a probabilidade de uma pessoa contrair azia é 50% maior nos pacientes que têm excesso de peso. Segundo o médico Bruno Sander, especialista em endoscopia digestiva, essa relação existe porque ao comer em demasia, gera-se um aumento da pressão no estômago, ocasionando o aparecimento do refluxo esofágico. "O excesso de gordura corporal, em particular na zona do abdômen, aumenta a pressão nessa região, o que por sua vez vai causar um aumento na pressão no estômago. Isso acaba empurrando o músculo do esfíncter entre o estômago e o esôfago, forçando-o a se abrir", explica o especialista.

De acordo com o médico, a azia pode aparecer em pessoas de qualquer idade, como uma queixa isolada ou eventual. "A causa básica dela é o refluxo de material ácido proveniente do estômago, ou seja, quando o conteúdo gástrico acaba afetando o esôfago e a garganta. Ela também ocorre em algumas situações quando a acidez é muito grande ou a proteção gástrica é ineficiente. Porém, quando ela é constante, pode ser sintoma de algumas doenças do aparelho digestivo", alerta Bruno Sander.

Tratamento e prevenção

O especialista diz que a principal forma de tratamento do problema é a mudança nos hábitos de vida, principalmente os alimentares. "O tratamento do problema pode até incluir o uso de medicamentos, mas só isso não funciona. O método mais eficiente contra a queimação no estômago é a mudança de hábitos, tanto em relação à dieta, quanto à forma como os alimentos são consumidos. Mastigando bem os alimentos, por exemplo, você facilita o trabalho do estômago, que pode produzir menos ácido", completa o médico.

Veja outras dicas do especialista para prevenir esse problema:

  • Pessoas que sofrem de azia não devem se deitar após as refeições. É importante esperar ao menos um período de duas horas

  • Controlar o consumo de alguns alimentos ajuda a evitar crises de azia, como frituras e alimentos muito gordurosos, por exemplo

  • Evite o consumo em excesso de refrigerante e alimentos gordurosos, apimentados, condimentos, embutidos e alguns tipos de verduras, como couve, couve flor, brócolis, repolho, nabo, rabanete e pepino, que possuem pH mais ácido

  • Mantenha o peso ideal. Nos pacientes que estão acima do peso, o sintoma de queimação é mais frequente, pois a gordura diminui o espaço do estômago e, com isso, o suco gástrico sofre elevações e causa o refluxo, acompanhado da azia

Últimas notícias

Comentários