Brasil abriu mão do combate ao desmatamento, diz Greenpeace

Segundo os ativistas ambientais, o acordo assinado entre Dilma e Barack Obama não possui prazo para zerar o desmatamento no Brasil, e ainda pode 'ajudar' os desmatadores

30/06/2015 18:09

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
Segundo o Greenpeace, o Brasil, ao invés de zerar o desmatamento, propõe desmatamento ilegal zero ou o desmatamento líquido zero, o que pode abrir margem aos desmatadores (foto: Pixabay)
A organização não governamental Greenpeace critica os termos do compromisso assumido pelo governo brasileiro, em acordo bilateral com os Estados Unidos, para acabar com o desmatamento ilegal de florestas e mitigar as causas das mudanças no clima. O documento assinado  por Dilma Rousseff e Barack Obama informa que o Brasil pretende restaurar e reflorestar 12 milhões de hectares de florestas até 2030. Não foi definido, no entanto, um prazo para zerar o desmatamento.

"É inaceitável que o compromisso mais ambicioso que Dilma assume para proteção das florestas e combate às mudanças climáticas seja tentar cumprir a lei. Mas, foi exatamente isso o que ela fez em aguardada reunião com Obama em Washington [EUA]: prometeu fazer o possível para combater o desmatamento ilegal no Brasil, sem dar prazo ou garantia concreta", diz a nota à imprensa divulgada pelo Greenpeace.

Para o Greenpeace, o governo brasileiro, em vez de defender o desmatamento zero, propõe desmatamento ilegal zero ou o desmatamento líquido zero, o que abriria grande margem aos desmatadores. Enquanto dezenas de governos se comprometeram a zerar suas perdas florestais até 2030, como consta na Declaração de Nova York sobre Florestas, no ano passado – que o governo brasileiro se recusou a assinar –, a ONG ressalta ser "vergonhoso que o nível do debate e do compromisso no país ainda sejam tão baixos".

"Dilma também prometeu restaurar e reflorestar 12 milhões de hectares de florestas até 2030, mas isso é cerca de metade do exigido pelo atual Código Florestal para zerar nosso passivo ambiental", acrescenta a nota.

No acordo assinado pelos dois países nesta terça, dia 30 de junho, os presidentes destacaram que vão trabalhar em cooperação na geração de energia nuclear segura e sustentável, além de reconhecer a necessidade de acelerar o emprego de energia renovável para ajudar a mover as economias. Os países propuseram a adoção de "ações ambiciosas", no sentido de atingir, individualmente, 20% de participação de fontes renováveis em suas respectivas matrizes elétricas, até 2030 – além, naturalmente, da geração hidráulica.

"O governo brasileiro, na verdade, poderia alcançar pouco mais que o dobro disso, segundo dados do Observatório do Clima", ressalta o Greenpeace. A nota do Greenpeace menciona ainda o "assustador anúncio de uma cooperação nuclear para compartilhar tecnologias de geração 'seguras e sustentáveis' entre os dois países".

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários