A partir de 1º de julho de 2015, lâmpadas incandescentes param de ser vendidas

Conheça outras opções de lâmpadas para substituir a iluminação de sua casa e conseguir grande economia de energia

por Da redação com assessorias 01/07/2015 08:55

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Philips/Divulgação
As lâmpadas de LED, apesar de terem um custo mais elevado, são as mais econômicas e podem durar por até 20 mil horas, em média (foto: Philips/Divulgação)
As lâmpadas incandescentes já tinham deixado de ser produzidas no Brasil desde 2014 – as de 100 W em 2012, as de 60 W em 2013 e as de 40 W no ano passado –, mas apenas agora elas estão proibidas de serem vendidas no país. A decisão foi determinada pela portaria Nº 1.007, de 31 de dezembro de 2012, que foi assinada em acordo entre o Ministério de Minas e Energia, Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação e Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

A proibição tem como objetivo aumentar o consumo e utilização de lâmpadas fluorescentes, halógenas ou LED, que são mais econômicas. O Brasil acompanha uma decisão tomada pela Agência Internacional de Energia, que pretende reduzir o consumo de energia elétrica em todo o mundo. Futuramente, serão utilizadas somente lâmpadas de LED, fluorescentes ou halógenas e, todos os países.

Conheça outros tipos de lâmpadas disponíveis no mercado, para substituir as incandescentes:

  • Halógena: muito comum para iluminação de destaque, decorativa e jardins. Funciona em tensão de rede 127 V ou 220 V, podendo também ser encontrada em 12 V. Produzem luz de alta intensidade e brilho, porém, consomem o valor nominal (50 W, consumo de 50 W)

  • Fluorescente compacta: mais econômica do que a incandescente, a versão da fluorescente com 15 W ilumina da mesma forma que a incandescente de 60 W. Isso significa uma economia de 75% na conta de luz. A vida útil é de 8 mil horas, em média. Se somados o preço da lâmpada mais o gasto de energia de um ano, a fluorescente sai quase três vezes mais barata

  • LED (Light Emitting Diode): o conjunto de LED consegue ser ainda mais econômico no consumo de energia. Com apenas 8 W e com uma vida útil de 20 mil horas, em média, tem capacidade de deixar o ambiente iluminado, com a mesma intensidade que a incandescente de 60 W ou a fluorescente compacta de 15 W. Essas vantagens a fazem custar mais caro, mas, no final das contas é a mais econômica e eficiente

Últimas notícias

Comentários