Aos 55 anos, morre Satoru Iwata, presidente da Nintendo

Mundo dos videogames está em luto com a perda do designer que ajudou a fazer a história da gigante japonesa do entretenimento

13/07/2015 10:26

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Nintendo/Divulgação
Após as perdas causadas pelo lançamento do console GameCube, Satoru Iwata foi responsável pelo sucesso Nintedo Wii (foto: Nintendo/Divulgação)
De acordo com o comunicado divulgado pela Nintendo do Japão, o executivo Satoru Iwata morreu de câncer do ducto biliar no domingo, dia 12 de julho. Ele tinha começado a trabalhar na gigante japonesa do entretenimento na década de 1980, trabalhando como um desenvolvedor independente em vários jogos.

No ano 2000, juntou-se formalmente à empresa, e dois anos mais tarde, tornou-se o 4º presidente da Nintendo, após a aposentadoria de Hiroshi Yamauchi. Desde junho 2013, Iwata também ocupou a gerência executiva da subsidiária norte-americana da empresa.

Carreira

Iwata era formado em programação, e sua carreira executiva está ligada a vários sucessos comerciais. Quando chegou à presidência, herdou uma empresa "ferida" após o lançamento do console GameCube, que não conseguiu superar as vendas de seu antecessor, o Nintendo 64, apesar de ter bons reviews dos sites especializados em jogos. Mas, quatro anos depois de sua ascensão à presidência, Iwata conseguiu mudar a sorte da empresa com o Nintendo Wii, um sucesso sem precedentes na área.

Sob sua gestão, a empresa também conseguiu manter o controle sobre o mundo do entretenimento eletrônico portátil. Em 2004, a empresa lançou o Nintendo DS, equipado com duas telas, sendo uma com sensor de toque. Sete anos mais tarde, a empresa colocou no mercado uma nova versão, o Nintendo 3DS, capaz de exibir imagens tridimensionais sem o uso de óculos especiais.

De acordo com o jornal El Mundo da Espanha, durante os últimos dois anos, Iwata havia reduzido suas aparições públicas, em decorrência da doença.

(com Agência Télam)

Últimas notícias

Comentários